Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Parque de estacionamento subterrâneo na zona do Aviz vai avançar para aliviar a pressão sentida à superfície
06-11-2019
A Câmara do Porto quer abrir um concurso público para a construção de um parque de estacionamento subterrâneo no Aviz, na zona da Boavista. A proposta, que será apresentada na reunião de Executivo Municipal da próxima segunda-feira, enquadra-se na estratégia de mobilidade sustentável da autarquia, a qual passa por libertar progressivamente o espaço público da função "estacionamento", transformando-o em áreas de maior utilidade para a própria mobilidade e para o ambiente urbano.

Pretende-se com o projeto dotar esta zona da cidade, caracterizada por uma densa conjugação de habitação, comércio e serviços, de um equipamento que permita aliviar a pressão sobre o estacionamento à superfície.

Simultaneamente, a construção deste equipamento - com capacidade para cerca de 200 lugares, na Rua de Pedro Homem de Mello e zona envolvente do Aviz - prevê e valoriza a requalificação do espaço público das imediações. Não menos importante será a reorganização dos fluxos viários, melhorando a acessibilidade local, nomeadamente à Avenida da Boavista.

De acordo com a proposta assinada pela vereadora dos Transportes, Cristina Pimentel, que será votada no dia 11 de novembro, concluído o procedimento concursal para a elaboração do projeto e a realização da empreitada, o vencedor do concurso terá dois anos para abrir ao público o novo parque, que ficará em regime de concessão pelo prazo de 20 anos.

No mesmo concurso, está incluída também a concessão do parque de estacionamento da Praça de D. João I. Aberto em 1991, em regime de concessão de serviço público pelo prazo de 20 anos, este parque de 380 lugares termina o prazo da sua concessão em dezembro de 2021.

Situado na Baixa da cidade, trata-se de um equipamento perfeitamente consolidado, sendo a sua localização central um fator de sustentabilidade que, neste caso em concreto, permitirá alavancar a construção e operação de um parque mais periférico, mas nem por isso menos necessário e relevante.

Mais estacionamento para moradores e comerciantes

Também no âmbito da mobilidade sustentável, o Executivo e a Assembleia Municipal do Porto aprovaram no presente mandato a definição de um novo zonamento para o estacionamento tarifado em todo o território da cidade, o que inclui zonas até então excluídas, como é o caso da zona do Aviz.

Esta medida, que será implementada até ao final de janeiro de 2020, tem como resultados comprovados noutras zonas da cidade um reequilíbrio das condições de utilização do espaço público, com menos ruído, menos poluição e uma maior oferta de rotatividade de lugares de estacionamento de curta e média duração.

Os benefícios de uma melhor gestão do estacionamento incidem sobretudo sobre os moradores e os comerciantes, que vêm no estacionamento anárquico e prolongado, durante todo o dia, um entrave ao acesso às suas habitações e um óbice ao desenvolvimento do tecido económico local.

As duas medidas são complementares do ponto de vista estratégico, não só para a mobilidade como também para a viabilização do investimento em causa, pois a construção de novos parques de estacionamento subterrâneos em zonas que carecem fortemente de investimento neste tipo de infraestruturas estaria sempre comprometida sem a existência de regulação do estacionamento à superfície.