Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Os grandes mestres do cinema francês chegam ao Campo Alegre no sábado
29-08-2018
A nova temporada de cinema do Teatro Campo Alegre começa já neste sábado, dia 1, com "Dois homens em Manhattan", de Jean-Pierre Melville. Ao longo de 40 dias, traz um extenso ciclo dedicado aos grandes realizadores do cinema francês dos anos 30, 40 e 50, que alimentaram a geração da Nouvelle Vague. 

Até 10 de outubro, esta iniciativa da Medeia Filmes com o Teatro Municipal do Porto apresenta 15 filmes, vários deles inéditos em sala em Portugal, que são essenciais para a compreensão da história do cinema francês e do cinema em termos globais. São 15 obras-primas de 10 dos maiores realizadores franceses, criadas entre 1936 e 1960, das quais 14 serão apresentadas em versões digitais restauradas, legendadas em português.

Pelo Campo Alegre vão passar, por exemplo, três obras essenciais de Jean Renoir - o "maior cineasta do mundo", como o proclamou François Truffaut, aquele que "abrange todo o cinema", como dizia Rohmer, aquele que transpôs para a sétima arte o "sentido penetrante da luz e das cores" da pintura do seu pai, Auguste Renoir: "O Crime do Sr. Lange" (1936), "French Cancan" (1954) e "Elena e os Homens" (1956).

Poderemos também assistir a dois filmes de Sacha Guitry ["Mon Père avait raison" (1936) e "La Poison" (1951)] e dois filmes de Marcel Pagnol ["La Femme du boulanger" (1938) e "La Fille du puisatier" (1940)], e ainda a "Le Plaisir" (1952) e "Madame De..." (1953), de Max Ophüls, "Casque d'or/Aquela Loura" (1952) e "Touchez pas au grisbi/ O Último Golpe" (1954), de Jacques Becker, "Pickpocket / O Carteirista" (1959), de Robert Bresson, "Os Olhos Sem Rosto", de Georges Franju, e "Le Testament d'Orphée / O Testamento de Orfeu" (1960), de Jean Cocteau.

Programa: 

DOIS HOMENS EM MANHATTAN, de Jean-Pierre Melville
1 e 5 de setembro

O CRIME DO SR. LANGE, de Jean Renoir
2 e 6 de setembro

MADAME DE..., de Max Ophüls
3, 7 e 9 de setembro

OLHOS SEM ROSTO, de Georges Franju
4 e 10 de setembro

HELENA E OS HOMENS, de Jean Renoir
8, 14 e 19 de setembro

AQUELA LOURA, de Jacques Becker
13 3 23 de setembro

FIM-DE-SEMANA NO ASCENSOR, de Louis Malle
11, 15 e 17 de setembro

A MULHER DO PADEIRO, de Marcel Pagnol
12, 16 e 18 de setembro

O ÚLTIMO GOLPE, de Jacques Becker
20 e 25 de setembro

O MEU PAI TINHA RAZÃO, de Sacha Guitry
21 e 26 de setembro

O CARTEIRISTA, de Robert Bresson
24, 27 e 30 de setembro

O TESTAMENTO DE ORFEU, de Jean Cocteau
28 de Setembro e 4 de outubro

VENENO, de Sacha Guitry
29 de Setembro e 5 de outubro

FRENCH CAN-CAN, Jean Renoir
1, 6 e 9 de outubro

O PRAZER, de Max Ophüls
3, 7 e 10 de outubro

Mais informações aqui.