Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Obras no Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota ultimam-se com novidades
16-07-2019

Depois de pronto, o Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota terá capacidade para acolher 8000 pessoas em grandes eventos e será possível visitar o ponto mais alto da cúpula do edifício, que proporciona uma vista de 360 graus da cidade do Porto.


As informações foram hoje reveladas pelos administradores que compõem o consórcio Círculo de Cristal, entidade responsável pela reconversão daquela estrutura, numa visita guiada às obras do edifício para a comunicação social.

Para os visitantes, as visitas irão começar no exterior do edifício, na base da cúpula, e terminar no ponto mais alto. "Temos uma vista de 360 graus lá em cima, teremos visitas com algum sentido de experiência radical, mas com total segurança", revelou Jorge Silva da PEV Entertainment, uma das empresas que compõem o consórcio, juntamente com a construtora Lúcios.

O projeto envolveu um grande plano de intervenção com enfoque nas condições de conforto acústico e térmico do equipamento, sendo o objetivo final a "multifuncionalidade do edifício, que passa pela música, pelo desporto, por congressos", entre outros eventos, preenchendo uma necessidade que a cidade do Porto tinha de espaços polivalentes, referiu o administrador do consórcio.

"O investimento inicial que se previa entre os 8 e os 8,5 milhões de euros está a ser ultrapassado devido às melhorias que foram introduzidas ao longo do projeto", explicou Filipe Azevedo, da empresa construtora Lucios.

Uma dessas alterações diz respeito à capacidade do auditório do Centro de Congressos situado no piso -1, que foi rebaixado e escavado sobre rocha durante seis meses para dar lugar a um auditório em anfiteatro com 500 lugares sentados, quatro salas com capacidade para 100 pessoas e ainda uma zona de exposição polivalente com 610 metros quadrados.

O pavilhão terá um restaurante com vista para o lago e para os Jardins do Palácio de Cristal, e uma esplanada. Está ainda previsto um food court no piso 0, com 400 metros quadrados, que dará apoio a todas as atividades e estará aberto, assim como o restaurante, independentemente dos eventos marcados.

A acústica do edifício constituiu um dos principais desafios do projeto, fator indispensável para garantir a adaptação aos vários tipos de eventos, mantendo a identidade da arquitetura exterior do edifício, com 768 óculos que fazem parte da cúpula e que constituem uma das imagens de marca do pavilhão.
Para além do revestimento de toda a estrutura da cúpula do edifício e da substituição de todos os vidros de cada um dos 768 óculos, vai ser ainda colocada uma tela que vai permitir controlar a entrada de luz, tela essa que deverá estar fechada em mais de 90% dos eventos, segundo informou Filipe Azevedo.
O edifício terá capacidade para 5 500 lugares sentados, com bancadas retráteis, podendo ser aumentados para 8000.

As tribunas estão situadas no primeiro e terceiro andares e os 23 camarotes, com 16 lugares cada, estão localizados no segundo piso. Dentro da sala principal haverá dois espaços lounge, quatro camarins, balneários e um elevador para o transporte de pessoas com mobilidade reduzida.

"A inauguração terá uma componente forte de música, mas não é a música que vai mobilizar o espaço, temos também os congressos. Estamos a concorrer e a ser contatados por congressos empresariais que normalmente decorrem no mundo inteiro e neste momento o Porto já faz parte desse calendário", disse Jorge Silva da PEV Entertainment.

Foram já divulgados alguns espetáculos para o palco do novo Super Bock Arena, como o WordCamp 2020, evento focado no mundo WordPress, e os concertos de Amar Amália, Alexandre Pires e Marília Mendonça.

A inauguração do requalificado Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota, equipamento municipal que foi concessionado durante 20 anos após um concurso público, deverá acontecer em outubro, informou hoje o consórcio vencedor, que não só assumiu todo o custo das obras de requalificação, como durante a vigência do contrato paga à Câmara uma renda mensal de 4 mil euros.