Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Como conservar 5 km de documentos ?
22-02-2016

O Arquivo Histórico Municipal do Porto (AHMP) tem, neste momento, cerca de cinco quilómetros de documentação, maioritariamente em suporte papel, mas também em pergaminho, negativos em vidro e fotografia. O "Porto.pt" foi descobrir os segredos do Arquivo, que foi criado em 1980 e conserva a documentação produzida pela autarquia portuense desde a Idade Média até ao século XX, assim como diversos arquivos de origem particular e coleções.


Alojado, maioritariamente, na Casa do Infante (existe uma parte na Biblioteca Pública Municipal do Porto), o acervo documental inclui mais de 800 pergaminhos, diversos códices iluminados, uma grande variedade de séries, com destaque as Vereações, o Cofre, a Imposição do Vinho, as Licenças de Obras, a Cartografia da Cidade, etc. e ainda um conjunto significativo de desenhos e fotografias, bem como gravuras, postais antigos e cartazes.


Existe também no Arquivo Histórico o pergaminho com o "Registo das despesas com os festejos do batismo do Infante D. Henrique", de 1394.


O arquivo conta com duas salas de leitura, uma para a documentação manuscrita e outra onde funciona a Biblioteca de Assuntos Portuenses, um serviço de reprodução e digitalização de documentos, assim como de um laboratório de restauro, entre outros serviços.

Atualmente, já é possível consultar muita desta documentação através da plataforma GISA, estando disponíveis ao público mais de 371.000 descrições documentais, das quais cerca de 52.300 já possuem imagens associadas (312.000, no total).


O GISA conta hoje com mais de 125.000 utilizadores provenientes de mais de 72 países, distribuídos por quase todos os continentes: 90% Portugal; 3,6% Espanha; 3,6% Brasil; 0,7% Estados Unidos da América; 0,5% Reino Unido; 0,4% Alemanha; 0,2% Itália; 0,2% Angola e 0,8% outros países.