Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Novas medidas levam a zonas escolares maior segurança e mobilidade
11-05-2018
Segurança, acessibilidade e mobilidade são prioridades na estratégia da Câmara do Porto para as zonas escolares. Neste âmbito, e após a intervenção em ruas como Guerra Junqueiro, acaba de ser implementado um novo projeto na Rua de Carlos Malheiro Dias, junto ao Externado Escravas do Sagrado Coração de Jesus.

Quem passa por esta artéria encontra agora um sistema de marcação e sinalização rodoviária junto à escola, na entrada e saída de alunos, que se destaca pelos "pontos" azuis no piso. A intenção é gerar o abrandamento de movimentos de viaturas e pessoas, com reflexos na segurança e mobilidade, isto num local reconhecido pelo grande embaraço no trânsito causado pelo hábito de paragem em segunda fila.

"A configuração da rua, uma das principais entradas na cidade, permitiu-nos criar, pela primeira vez no Porto, um 'buffer' de segurança, a que chamamos uma zona de 'kiss & ride' para as crianças da escola e os pais que as vão levar e buscar", observa Cristina Pimentel, responsável pelos pelouros de Transportes e Fiscalização e Proteção Civil do Município.

Além das dimensões favoráveis à intervenção, a recente empreitada de manutenção e beneficiação geral da via também contou para poder se avançar com esta "zona distinta, completamente nova e exclusivamente dedicada à mobilidade, acessibilidade e segurança daquela comunidade escolar".

Já antes deste sistema, um vasto conjunto de escolas foi igualmente alvo de melhorias efetuadas a vários níveis, nomeadamente na sinalização rodoviária, na instalação de guardas de proteção e no reforço de atravessamentos na envolvente próxima. Todas indicam que "a questão da mobilidade, acessibilidade e segurança junto das zonas escolares tem sido uma preocupação da autarquia. São zonas normalmente críticas, que envolvem várias questões, sobretudo a segurança de crianças", considera ainda Cristina Pimentel.



O feedback positivo das comunidades educativas em que se interveio há mais tempo tem existido, podendo dar-se o exemplo de Guerra Junqueiro ou da Escola Francesa, junto a Serralves. São casos em que "implementámos medidas mais duras no terreno e contamos com as escolas para incentivarem os pais a adotarem medidas mais suaves, tais como não deixar o carro à porta da escola e optarem por fazer alguns percursos a pé", explica a vereadora.

Estes projetos são seguidos com "constante atenção" pela autarquia, que mantém a ligação com as escolas para se ir "verificando se estas medidas mais suaves continuam em implementação e que ajustes serão necessários para que elas efetivamente sejam interiorizadas e aplicadas".

Com todos os pontos críticos em zonas escolares "devidamente identificados", Cristina Pimentel apresenta como próximo foco desta estratégia "a zona complexa" junto às escolas Fontes Pereira de Melo e Clara de Resende, na Boavista. É também neste âmbito que devem ser entendidas outras medidas já tomadas, como "taxar o estacionamento à superfície, no sentido de se regular um pouco mais a procura". Realizada esta etapa, "vamos intervir na Rua de Primeiro de Janeiro e, nessa altura, iremos introduzir também nesta zona escolar novas medidas de proteção, segurança e mobilidade".