Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

À "descoberta" do Porto
02-10-2015

A revista internacional National Geographic destaca, na edição de outubro (versão portuguesa) a Torre dos Clérigos e a investigação a decorrer às possíveis ossadas de  Nicolau Nasoni, encontradas, ocasionalmente, no final das obras de restauro da Igreja dos Clérigos, em 2014.

 

A cripta, local de (re)encontro de Nasoni foi encerrada poucos dias após a descoberta, e reaberta em junho de 2014, altura em que entra em campo uma equipa de antropólogos forenses, técnicos e especialistas para investigar, recolher e examinar, com as mais "modernas técnicas de identificação e inventariação", referiu a revista.

 

A National Geographic que seguiu as investigações "in loco", elaborou uma reportagem de oito páginas, com o título "Enigma nos Clérigos", descrevendo que as investigações a Nicolau Nasoni trouxeram ao local um encontro de especialistas em duas áreas, a Ciência e a História, equipas forenses que se juntam e articulam entre si para desmistificar o "mistério" do arquiteto.

 

A equipa de investigação forense, liderada pela antropóloga Eugénia Cunha, do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra, conta ainda com a colaboração da Universidade do Porto, apoiada pelo professor Giovanni Tedesco, e do Instituto de Patalogia e Imunologia Molecular (IPATIMUP).

 

Descrevendo o cenário de toda a envolvência da investigação e da dinâmica do trabalho das equipas, e apesar de ainda não haver certezas que as ossadas são de Nasoni, uma coisa é certa, esta é uma investigação importante para cidade do Porto. A revista refere ainda que, o arquiteto italiano se "confundiu com a própria história da cidade durante décadas centrais do século XVIII", vincando que "Nasoni tornou-se portuense, adotado como ícone, símbolo da atração que o Porto exerce sobre os estrangeiros, como um vício, um íman que, uma vez magnetizado, nunca mais tolera a fuga". O arquiteto italiano Nicolau Nasoni chegou ao Porto em 1725 e nunca mais da cidade saiu. Morreu em 1773, aos 82 anos, dez anos depois da conclusão da Torre dos Clérigos.

 

Artista de reconhecidos méritos, exerceu a sua profissão, arquiteto e pintor, no Porto, e norte de Portugal, em obras arquitetónicas, como Clérigos, lógia da Sé, igrejas da Casa da Misericórdia do Porto, do Terço e de Nossa Senhora da Esperança, palacete de S. João Novo e casas da Prelada, do Chantre, de Ramalde, do Viso e Palácio do Freixo.

 

Localizada em pleno centro histórico da cidade do Porto e visitada por milhares de turistas portugueses e estrangeiros ao longo do ano, a Torre dos Clérigos é o ex-libris da Invicta, considerado monumento nacional desde 1910.