Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Feira da Vandoma em Campanhã
13-10-2015

"Não tenham preconceitos contra Campanhã", apelou ontem à noite o presidente da Câmara do Porto aos deputados da oposição na Assembleia Municipal, quando estes manifestaram dúvidas quanto à mudança da Feira da Vandoma para a Avenida 25 de Abril, naquela freguesia portuense. Rui Moreira defendia assim a posição do Município de retirar das Fontainhas uma feira que "já lá não cabe". O presidente da Câmara respondia sobretudo aos deputados do PSD, cujo líder da bancada, Luís Artur, chegou a alegar que os vereadores e seus colegas de partido "estavam distraídos" quando votaram favoravelmente a mesma proposta, em reunião de executivo realizada recentemente.


Rui Moreira lembrou também a bancada do Bloco de Esquerda que o potencial turístico da feira não se perde com a deslocalização da feira para Campanhã e revelou que o Museu do FC Porto recebeu, nos últimos dois anos, 260 mil visitantes, 35% dos quais estrangeiros, "e é ali ao lado". O BE afirmou que a feira morreria com a ida para a avenida 25 de Abril, mas Rui Moreira afirmou que a feira vai correr bem e que a própria Câmara a irá promover convenientemente, dando-lhe espaço onde ela não incomoda os moradores e criando condições para que cresça em segurança.


O presidente da Câmara lembrou os deputados que a cidade é constituído por quadrículas e que nenhuma pode ser proscrita do desenvolvimento da cidade. "Se queremos que o turismo seja sustentável na nossa cidade, então temos que aprender a descobrir novos espaços para onde se possa alargar e Campanhã tem potencial e faz parte dos nossos planos", disse Rui Moreira, acrescentando "Dissemos ao que vínhamos e explicamos que não esqueceríamos Campanhã. No Porto não pode haver territórios proscritos", quando uma deputada do BE lembrou o elevado potencial turístico da feira, referenciado pelo New York Times.


A Câmara do Porto decidiu reorganizar as feiras da cidade, na sequência de várias queixas de munícipes das Fontainhas, que se consideravam sitiados pelo crescimento da Feira da Vandoma e eram acordados de madrugada pelo barulho provocado pelos feirantes.


O executivo de Rui Moreira decidiu então abrir uma discussão pública sobre o assunto, propondo que a feira se passasse a realizar na Alameda de Cartes. Contudo, segundo o autarca "depois de falarmos com muita gente, concluímos que não seria a melhor solução, pelo que aceitámos a única proposta que, realmente, nos foi feita", e que consistia na deslocalização para a Avenida 25 de Abril.


O vereador da fiscalização e proteção civil, Manuel Sampaio Pimentel, revelou à Assembleia que essa proposta foi feita pelo presidente da Junta de Freguesia de Campanhã e que foi acolhida pela Câmara.


O presidente da Junta de Freguesia do centro histórico usou da palavra para dizer que tinha um plano para que a feira continuasse nas Fontainhas e que passava pela contratação de "policiamento gratificado", ma Rui Moreira esclareceu que "nunca" aceitaria tal solução: "connosco não. Não é aceitável, no Estado de Direito, que haja segurança privada ou policiamento gratificado no espaço público. Isso é o fim do Estado de Direito e eu não aceito soluções dessas", enfatizou.


A proposta acabou por ser aprovada com os votos a favor de 28 deputados, contra 17. No executivo, a proposta, que prevê também a deslocalização da Feira dos Passarinhos para as Fontainhas, tinha sido aprovada com os votos favoráveis de 12 dos 13 vereadores, o que inclui os três do PSD, já que apenas a CDU votou contra.