Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Museu da Misericórdia do Porto assinala primeiro aniversário dia 15 de julho
12-07-2016

Eleito o melhor Museu do Ano de 2016, pela Associação Portuguesa de Museologia, em junho passado, o Museu e Igreja da Misericórdia (MMIPO), da Santa Casa da Misericórdia do Porto, localizado na Rua das Flores, celebra o primeiro aniversário na próxima sexta-feira, 15 de julho, com um conjunto de iniciativas gratuitas.


O programa, com início às 10 horas do dia 15, prolonga-se até dia 17, domingo, e conta com concertos, exposições, conferências, visitas e uma transmissão ao vivo, nas instalações do MMIPO.


Na sexta-feira, a destacar, às 17 horas, a inauguração da exposição "O Céu faz-se terra", do escultor Rui Chafes, que continuará depois patente até 11 de setembro. Pelas 17,30 horas, o mesmo Rui Chafes, juntamente com Bernardo Pinto de Almeida, professor da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, participa na conferência "O meu sangue é o vosso sangue", que terá moderação de Francisco Ribeiro da Silva.


A fechar o dia de aniversário, pelas 22,30 horas, o museu receberá o concerto "The Nada", pelos Porta Jazz.


No domingo, 17, o historiador Joel Cleto realizará, a partir das 10 horas, uma visita guiada às instalações do Hospital Conde de Ferreira, na rua de Costa Cabral, unidade de saúde gerida pela Santa Casa da Misericórdia do Porto.


Ao fim do dia, pelas 18 horas, a Igreja Privativa da Misericórdia do Porto acolherá o concerto "Absolute Vocem Ensemble", que terá também entrada gratuita.


O MMIPO expõe em pinturas, esculturas, ourivesaria e documentos a história de 500 anos daquela instituição, que é também a história da cidade. Em pleno coração do Centro Histórico, reúne um património desde 1499, muito dele adquirido por herança e doações. Os painéis de Diogo Teixeira, a "Descida da Cruz" de Fernão Gomes e o quadro "Fons Vitae", atribuída ao flamengo Colijn de Coter, são algumas das peças que podem ser vistas.


Integra na sua fachada uma escultura contemporânea de Rui Chafes, do programa de arte pública lançado pela Câmara do Porto em 2015. A peça, de nome "O Meu Sangue é o Vosso Sangue", é inspirada na pintura flamenga do século XVI "Fons Vitae", parte do interior do museu e projeta-se para o espaço público na Rua das Flores.