Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Município vai usar parte da taxa turística para reforçar a PSP com 10 viaturas
12-11-2018

Rui Moreira anunciou hoje o reforço dos meios da Polícia de Segurança Pública em 10 viaturas elétricas, usando, para isso, parte da receita da taxa turística da cidade. O anúncio foi feito na cerimónia de comemoração dos 80 anos da Polícia Municipal do Porto (PM), que decorreu esta manhã na Biblioteca Almeida Garrett.


"A Câmara do Porto está disponível para usar parte dessa receita [da taxa turística] para fornecer à PSP meios que lhe têm faltado para tornar mais eficaz o patrulhamento da cidade", disse o presidente da Câmara do Porto, na sua intervenção, referindo, que serão 10 viaturas elétricas ou de baixo teor de emissões para ajudar a "mitigar os problemas de segurança que o número acrescido de pessoas provoca na cidade".

Rui Moreira lembrou que, numa altura em que a cidade se regenera de forma acelerada, quer do ponto de vista físico quer cultural e social, a segurança e a fiscalização são "absolutamente fulcrais", pelo que a autarquia, "não tendo competências diretas em matéria de segurança pública, tudo tem feito para ajudar a competência do Estado central nesta matéria".

Em contrapartida, o autarca do Porto quer "equivalente esforço" por parte da tutela, "através do incremento de meios humanos", e sublinhou que "juntamente com a cultura e a habitação, a proteção dos cidadãos foram as áreas onde mais apostamos", com maior aumento percentual da dotação orçamental do Município nos últimos cinco anos.

Presente na cerimónia, a Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, em declarações aos jornalistas, reiterou a importância da colaboração entre autarquias e administração central.
"Este apoio é sempre muito bem-vindo, como se sabe estamos no processo aquisitivo de viaturas, mas se a policia puder dispor de mais, com certeza que todos ficaremos a ganhar", disse, e recordou que, nos próximos quatro anos, PSP e GNR deverão ser dotadas com 2200 novos veículos.

Para o Porto, a representante do Estado Central destacou o investimento feito na Esquadra de Cedofeita e o investimento já anunciado de seis milhões de euros na zona do Viso, para acolher o Corpo de Intervenção, uma nova esquadra e toda a logística da PSP.



Polícia Municipal comemora 80.º aniversário

Para além de toda a aposta do Executivo municipal no reforço dos meios humanos e materiais de proteção ao cidadão (Polícia Municipal e Proteção Civil), a "Câmara do Porto participou ativamente no grupo de trabalho que permitiu a regularização legal das Polícias Municipais das duas cidades [Porto e Lisboa], através da produção do decreto-lei 13/2017, que viabiliza a assinatura do contrato interadministrativo que, ainda este ano, iremos assinar com a tutela e que será apresentado ao Executivo e Assembleia Municipal nas próximas semanas", explicou Rui Moreira.

Na sua intervenção, o Comandante da Polícia Municipal do Porto, Intendente Leitão da Silva, destacou três pontos de maior impacto na vida daquela organização: "regulamentação das polícias municipais do Porto e de Lisboa, reforço dos meios humanos e materiais e a alteração da sua imagem corporativa". 
"Saliento a vincada vontade política da Câmara Municipal e sobretudo do seu presidente em capacitar a Polícia Municipal de recursos humanos, meios técnicos e condições de trabalho que se articulem pela necessidade da cidade e que cumpram as condições adequadas para o exercício das nossas funções", disse.

Criada a 27 de junho de 1938, através de contrato celebrado entre a Câmara do Porto e o Conselho Administrativo da Polícia de Segurança Pública do Porto, a Polícia Municipal do Porto completou o 80.º aniversário com imagem renovada.

Eduardo Aires, designer criador da marca institucional" Porto.", explicou - durante a cerimónia - como modernizou a imagem da PM, criando a submarca "Polícia.", de modo a torná-la mais próxima da imagem da cidade e dos próprios cidadãos.