Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Douro nos cinco continentes
02-08-2015

Esta tarde, quando pelas 17h15 os concorrentes ao Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 em Motonáutica largarem frente ao emblemático edifício da Alfândega do Porto para a terceira das oito corridas desta temporada, uma audiência estimada de 97 milhões de espetadores, em 53 países dos cinco continentes, poderão estarão a assistir à prova e a descobrir, através desta ampla cobertura televisiva, os encantos do rio Douro no seu percurso final.

 

O circuito, de 2.158 metros, traçado entre as cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia, delimitado por dois conjuntos de boias de rondagem entre a Alfândega e a Ponte Luiz I, é já considerado pela generalidade dos pilotos, bem como pelos promotores internacionais do campeonato, como "o mais belo alguma vez visitado pela Fórmula 1".

 

Além de encantador, o circuito desenhado para trazer a Fórmula 1 em Motonáutica de regresso a Portugal, depois de quatro anos de ausência, é ainda apreciado pela sua "elevada competitividade", conforme declarou o alemão Mike Szymura, que ontem venceu a primeira das duas corridas reserva aos barcos da Fórmula 4-S, considerada o último patamar de acesso à Fórmula 1. "Temos duas longas retas e há que ter particular cuidado sobretudo na mais longa delas, com 580 metros, ao longo do cais da Alfândega, para os barcos não descolem totalmente da água, pois é onde atingimos a velocidade mais elevada e onde o risco de levantar voo e virar é maior", explica, por sua vez, o único piloto português que está a participar no Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 em Motonáutica, Duarte Benavente.

 

Líder do F1 Atlantic Team, o veterano português é o terceiro piloto com mais provas disputadas entre todos os presentes no Douro: desde que se estreou, em 1999, soma já 131 corridas no palmarés, o que faz de Duarte Benavente um dos maiores especialistas nesta categoria e torna ainda mais importante a sua opinião.

 

Hoje, Duarte Benavente vai partir para o Grande Prémio de Portugal a meio da frota, pois estabeleceu a décima volta mais rápida da qualificação entre os 20 participantes, a 4,05 segundos do autor da "pole-position", o finlandês Sami Selio, que assegurou a melhor marca do circuito, gastando 47,59 segundos num volta, o que significa uma média de 163,40 km/h sobre a água!

 

BARCOS DA F1 JÁ ATINGIRAM 225 KM/H NO DOURO

 

Os barcos de Fórmula 1 são todos equipados com motores iguais, um V6 de 2,5 litros fornecido pela Mercury, que desenvolve 425 cv às10.500 rpm, que ao acelerar a fundo emite uma sonoridade única, própria dos grandes motores de alta competição. Com seis metros de comprimento e casco duplo, estes catamarãs têm dois metros de largura e pesam apenas 390 quilos, "atingindo facilmente velocidades na ordem dos 240 km/h", sublinha Duarte Benavente.

 

No circuito do Douro, entre o Porto e Vila Nova de Gaia, "os pilotos mais rápidos estão a atingir uma velocidade máxima entre os 220 e os 225 km/h", revela a organização internacional do evento, que tem uma elevada expetativa quanto ao espetáculo para esta tarde.

 

SHOW AÉREO A ANTECEDER O ESPETÁCULO NA ÁGUA

 

A partir das 16h00 terá lugar a segunda corrida da Fórmula 4-S e às 17h45 a animação transfere-se para uns metros acima do circuito, quando o comandante Luís Garção, um dos maiores especialistas portugueses em acrobacia aérea, iniciar uma sessão de voo acrobático com o seu biplano, um Pitts S2B com 260 cavalos de potência, que é capaz de descrever manobras apertadas que superam seis vezes a força da gravidade, "sensivelmente os mesmos "Gês" a que os pilotos de Fórmula 1 são sujeitos aqui no Douro, ao rondar as boias que delimitam os extremos do circuito", conforme explica Luís Miguel Ribeiro, o diretor de prova em todas as oito etapas do Mundial.

 

Este português é, de resto, uma exceção entre os cerca de 1.200 elementos que a organização internacional contabiliza terem-se deslocado ao Porto para participar no Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 em Motonáutica; entre pilotos, jornalistas, mecânicos, fotógrafos, operadores de imagem, mergulhadores, assessores, dirigentes desportivos, convidados e observadores, "vieram propositadamente até aqui cerca de 1.200 pessoas, que representam mais de duas dezenas de nacionalidades, desde a China ao Paquistão, desde a Rússia até aos Estados Unidos", revelou a vice-presidente do promotor internacional do campeonato, a italiana Lavina Castelli, rematando que "os chineses, por exemplo, estão de tal modo encantados, que já nos transmitiram que vão adiar a sua partida, permanecendo duas semanas em Portugal, para conhecer o Porto e a região".

 

Mas, esta tarde, enquanto 47 canais de televisão estiverem a transmitir o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 em Motonáutica, serão 97 milhões de espetadores, por todo o mundo, que estarão a descobrir os encantos das margens do Douro, entre o Porto e Vila Nova de Gaia. Os espetadores portugueses poderão acompanhar em direto a prova na televisão, assistindo à transmissão através do Canal 2 da RTP, bem como na SportTV.