Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Já há solução para o Aleixo
25-06-2015

Já há solução para o Bairro do Aleixo. O executivo portuense levará à reunião de Câmara, na próxima terça-feira, a solução definitiva para o problema que encontrou quando tomou posse em 2013, devido à falta de liquidez do fundo que tinha como missão demolir as torres e realojar os inquilinos do bairro municipal do Porto. Com a solução encontrada por Rui Moreira, a prioridade vai agora ser dada ao realojamento em dois novos bairros, a construir pelo fundo, onde a Câmara diminui a sua participação, afastando-a do limite legal de 30% a que lhe é imposta.


Depois de mais de dois anos de impasse, com o Fundo do Aleixo (Invesurb) em risco de liquidação e sem dinheiro para construir as casas que se comprometeu a dar à Câmara do Porto como contrapartida, está finalmente encontrada uma solução, com o grupo Mota Engil a tornar-se parceiro e a investir cerca de dois milhões de euros, em capital. O novo investidor ficará com uma participação semelhante à de António Oliveira e a Câmara do Porto, até agora com 30% do capital, passará para 22%, readquirindo terrenos com um elevado potencial de valorização.


Nos termos do acordo agora alcançado, a injecção de capital que acontecerá é suficiente para que todo o projeto seja executado, dando-se prioridade à construção de habitação social, para realojar, em boas condições, as mais de 300 pessoas que ainda habitam as torres que ainda não foram demolidas. Só depois, o Fundo completará a demolição e poderá construir o seu empreendimento que, contudo, será adequado ao Plano Diretor Municipal, perdendo dimensão.


Com esta solução, a Câmara do Porto, que tinha entrado no negócio com terrenos, readquire património, através da compra de quatro parcelas contíguas, o que lhes permitirá adquirir capacidade construtiva e, logo, valorizar o ativo.


Recorde-se que o Bairro do Aleixo foi alvo de um contrato entre a Câmara do Porto e o Invesurb, em 2011, mas que, depois da demolição de duas das torres existentes, o fundo entrou em incumprimento com a autarquia, por falta de liquidez. Depois de tomar posse como presidente da Câmara, em 2013, Rui Moreira inteirou-se do dossiê, vindo a mandar abrir uma auditoria interna. Após apuradas todas as condicionantes do fundo, o presidente da Câmara anunciou a 26 de Fevereiro deste ano ter encontrado um investidor interessado em viabilizar o fundo.


Caso não tivesse sido encontrada uma solução nesta altura, o Invesurb seria dissolvido, provocando elevados prejuízos e novo impasse na resolução do problema social do Aleixo. A solução será ainda sujeita à aprovação da Assembleia Municipal, ficando, agora, caminho aberto para a resolução de um dos mais difíceis e complexos problemas encontrados pelo executivo liderado por Rui Moreira.