Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Moderno centro de recolha substitui velho canil
16-01-2017

Em 2017 começará a ser construído em Campanhã o Centro de Recolha Oficial, que substituirá o velho canil do Porto. A notícia surge desenvolvida no próximo edição do ano do jornal Porto., que esta semana começa a ser distribuído em todas as residências da cidade.


As instalações do Centro de Recolha serão construídas numa parcela de terreno que atualmente integra o Viveiro Municipal, em Azevedo de Campanhã. Será uma estrutura moderna que vai garantir o aumento das atuais 94 boxes para 220, bem como responder a solicitações futuras da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) ao nível do apoio ao alojamento de animais em quarentena provenientes de outros países, bem como permitir acolher outras espécies, sempre que necessário.


O Centro de Recolha Oficial terá uma separação física e funcional entre serviços oficiais e adoção, melhorando as condições sanitárias. O espaço será dotado de um bloco cirúrgico que permitirá a esterilização de canídeos e felídeos, sala de enfermagem independente para tratamento e acompanhamento clínico dos animais alojados, zonas de exercício e de sociabilização, área de tosquia e higienização.


"A escolha do espaço numa cidade densa como o Porto é sempre difícil, pelo que foram vários os terrenos analisados face à estratégia delineada e a preferência recaiu sobre o Viveiro Municipal, atendendo à sua dimensão", explicou o vereador da Inovação e Ambiente da Câmara do Porto em declarações ao jornal que a autarquia edita.


 "O viveiro é um terreno com uma área muito grande e que tem dimensão suficiente para albergar o centro de recolha oficial com as valências desejadas, não tendo impacto naquilo que é a atividade do viveiro, ate porque terá um acesso dedicado", esclareceu Filipe Araújo.


Para além disso, o próprio equipamento constitui uma mais-valia para a zona oriental da cidade, e daquela localidade em concreto, uma vez, que irá trazer "mais pessoas para trabalhar e visitar Campanhã".


O processo está a ser gerido pela empresa municipal de Gestão de Obras Públicas (GOP), estando já em curso o período para a elaboração do projeto de execução. A Câmara do Porto estima que a obra no terreno possa arrancar na segunda metade de 2017, após a submissão a todos os prazos legais a que está obrigada em termos de concurso público.


O responsável pelo Ambiente explicou ao Porto. que o Município estava "consciente da desadequação das instalações onde funciona, há mais de 80 anos,  o atual canil", situado na rua de S. Dinis (perto do Carvalhido), tendo já inscrito no orçamento de 2015 uma verba destinada aos projetos para a construção do novo equipamento".


MODERNO CENTRO DE RECOLHA SUBSTITUI VELHO CANIL


Contudo, a estratégia municipal vai muito mais além do que as condições físicas dos animais. Em 2015 foi lançado o "Plano Municipal de Controlo e Bem-Estar das Populações Animais de Cães e Gatos" que tem procurado resolver as carências estruturais do serviço do atual canil e responder às obrigações legais em vigor, bem como à generalidade das reivindicações das associações zoófilas, a Ordem dos Médicos Veterinários e a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, com quem a autarquia tem estado em permanente diálogo.


Um dos principais objetivo desse plano é promover e aumentar a adoção responsável, sendo que, em janeiro deste ano, a Câmara lançou uma campanha de promoção da "adoção responsável", através da oferta da esterilização (que ascende por vezes a mais de 100 euros) de todos e cães e gatos adotados, contribuindo, desta forma, para a prevenção do abandono de animais de companhia.


O sítio institucional da Câmara do Porto possui uma área dedicada à adoção de animais, onde podem ser visualizados todos os cães e gatos disponíveis para adoção no canil municipal, bem como várias informações sobre os mesmos (www.cm-porto.pt/saude-publica-veterinaria/pretende-adotar-um-animal).


Após o lançamento deste plano (2015), a taxa de adoção subiu cerca de 10% comparativamente com 2014, sendo que até setembro de 2016, mantém-se consistente com o aumento registado no ano anterior.


Outro dos aspetos contemplados consiste em ajudar na socialização dos cães em vias de adoção, estratégia já implementada no atual canil, onde vários funcionários receberam formação específica para este vetor.


Encontra-se também organizado um serviço excecional de plantão para poder corresponder a solicitações ocorridas fora do horário do piquete e brigada de captura (sobretudo entre as 23 e as 6 horas e ao fim de semana), em situações de exceção que envolvam animais feridos ou em sofrimento.


Filipe Araújo explicou que, no atual canil, já estão a ser promovidos vários aspetos desta estratégia, ou seja, já foram lançadas "as sementes". Mas "expandi-las e criar mais programas só será possível com uma nova infraestrutura".


O jornal Porto., além de explicar como será o novo canil do Porto, tem ainda na primeira página a notícia que a Câmara do Porto tomará conta do Cinema Batalha, publica uma extensa entrevista a Luís Valente de Oliveira, escrita pelo jornalista Manuel Carvalho e numerosas notícias, com especial ênfase no tema do ambiente, no Porto.