Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Rede de metro vai ter mais 5,7 quilómetros em 2022
15-01-2018
O Metro do Porto terá mais 5,7 quilómetros e sete estações em 2022. A garantia foi dada hoje pelo secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, e vai ao encontro dos timings antes avançados pela empresa de transporte metropolitano. Esta expansão faz-se por duas linhas: a construção da Rosa, no Porto, e o prolongamento da Amarela em Vila Nova de Gaia. As obras começam em 2019.

O governante, que falava após a assinatura dos contratos de elaboração dos dois projetos de expansão da rede, foi perentório: "Seguramente, em 2022 teremos mais 5,7 quilómetros de Metro do Porto e mais sete estações". Citado pela Lusa, José Mendes afirmou que pretende ter-se os projetos das duas linhas concluídos "entre outubro e dezembro" próximos. Lançar-se-á depois o concurso da empreitada, que se espera adjudicar "no início de 2019", devendo a começar a obra "entre abril e junho" do mesmo ano.

24 meses é o prazo estimado para a construção da linha Rosa (G), que vai fazer a ligação entre São Bento, Cordoaria/Hospital de Santo António, Galiza/Centro Materno-Infantil e Casa da Música/Rotunda da Boavista, no Porto.
Quanto ao prolongamento a sul da Linha Amarela, compreende a ligação de Santo Ovídio a Vila d'Este, em Gaia, numa extensão de 3,2 quilómetros e incluindo três novas estações.

"Acredito que aos 145 milhões de passageiros que usaram em 2017 o sistema de bilhética Andante (5,4% de acréscimo na procura) e aos mais de 60 milhões transportados em 2017 pelo Metro possamos acrescentar bastantes mais viagens", considerou o secretário de Estado, acrescentando que esta operação deve servir para transportar "mais 33 mil pessoas", o equivalente "a uma cidade média".

De acordo com os contratos hoje assinados, o projeto da Linha Rosa (G) foi adjudicado ao consórcio formado pela SENER, CJC e NSE, por 1,82 milhões de euros. O prolongamento da Linha Amarela (D) foi adjudicado às empresas LCW, Amberg Engineering e GRID, por 1,47 milhões de euros. 

Arquitetos Souto Moura e Siza Vieira desenham as estações subterrâneas da Linha Rosa

A Metro do Porto assinou também o contrato para a elaboração das quatro estações subterrâneas da Linha Rosa.
O documento foi assinado pelo arquiteto Eduardo Souto Moura, que terá de desenhar três das estações (rotunda [Boavista], Praça da Galiza e Carregal/Hospital de Santo António), ao passo que o arquiteto Siza Vieira terá a cargo a estação da Praça da Liberdade.

Souto Moura disse estar "mais preocupado" com a estação do jardim do Carregal", porque "não queria cortar árvores".
O arquiteto vincou que lhe agrada trabalhar para a Metro do Porto, porque "para além de resolver problemas de mobilidade, muda a cidade".
"É um bom motivo para se fazer jardins, praças, para mudar os pavimentos ou a iluminação. É uma oportunidade única que, se não fosse o metro, não se fazia", disse.

Souto Moura indicou ainda querer "estudar muito bem a resistência das estações", porque as existentes "têm resistido muito bem a um uso brutal de milhares de pessoas".
"Não estou muito preocupado com a estética. Estou mais preocupado em que metro do Porto continue a ter este aspeto limpo e agradável, o que demonstra que a população tem afetividade por ele", notou.

O valor de referência para os projetos destas duas linhas era de 4,7 milhões de euros (2,6 milhões de euros para a Rosa e 2,1 milhões de euros para a Amarela), mas as propostas vencedoras totalizam menos 1,4 milhões, estando orçadas em cerca de 3,3 milhões de euros.