Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Metro do Porto e STCP reduzem consumo de água
20-11-2017
A Metro do Porto e a STCP, os dois maiores operadores de transporte público da Área Metropolitana do Porto, estão a implantar um plano para baixar o consumo de água, atendendo à situação de seca que parte significativa do território português está a atravessar.

As empresas anunciaram em conjunto que esperam conseguir baixar para metade o consumo de água, tomando medidas consideradas de "exceção", mas que vão, "no imediato, fazer diminuir para metade os atuais consumos de água".

No caso da Metro do Porto, as medidas passam pela redução da periodicidade de operações de rega dos espaços relvados da rede (casos das estações e da via em algumas das linhas de Metro à superfície), passando de um regime de rega diária para três regas por semana. A lavagem dos 102 veículos da frota - atualmente duas lavagens semanais - passará a uma única lavagem semanal.

A empresa também implementou um programa de monitorização e deteção de eventuais fugas de água em toda a rede (metade da água utilizada pela Metro do Porto vem de captações próprias), tendo iniciado um plano de sensibilização junto dos seus colaboradores, no sentido de contribuírem ativamente para a poupança de água.

Por sua vez, a STCP reduz o número de lavagens dos seus 419 autocarros, que "passarão a ser lavados apenas três vezes por semana", a não ser em casos excecionais. 

A STCP anunciou, ainda, que está a estudar o processo de aquisição de novas máquinas de lavagem de autocarros para as suas estações de recolha, "procurando investir em equipamentos que contribuam para uma maior poupança no consumo de água". À semelhança da Metro do Porto, a empresa também tem em curso uma campanha interna de sensibilização apelando à poupança de água.

No comunicado, disponível no sites da Metro do Porto e da STCP, é também explicado que "este plano de contingência é mesmo radical e vai estar em vigor pelo período de tempo necessário até a situação normalizar. Mas, possivelmente, algumas das medidas agora tomadas podem vir a ter um caráter definitivo".