Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Mar galgou a marginal mas a situação está controlada. Equipas municipais permanecem no terreno.
22-12-2019

As condições meteorológicas estão ao final deste domingo mais estáveis e a tendência é para que o estado do tempo melhore gradualmente. Mas a situação que se viveu durante a manhã e a tarde de hoje na zona da Foz foi de permanente alerta para várias equipas municipais, mais ainda quando o mar, às primeiras horas, galgou a marginal e trouxe com ele muitos detritos, troncos e lama, que estão agora a ser removidos. A força das ondas chegou mesmo a arrastar os maciços que a Câmara do Porto tinha colocado por precaução.


Proteção Civil Municipal e equipas do Ambiente, Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto e Polícia Municipal não arrendam pé da orla costeira. A monitorização e apoio à população, desde a zona ribeirinha até às praias atlânticas, decorre há já vários dias, 24 sob 24 horas.

Se nas noites anteriores as zonas da Ribeira do Porto e de Miragaia foram as que requereram mais atenção e intervenção das equipas municipais, na madrugada e manhã deste domingo a situação mais crítica viveu-se a ocidente. Na Avenida de D. Carlos I, junto ao Passeio Alegre, os maciços que tinham sido colocados pela autarquia, precisamente para servir de barreira à subida e ferocidade do caudal do Rio Douro, sucumbiram à força das ondas e foram arrastados. Também na zona do Molhe foram registados danos materiais nos bares junto à praia.

Mas, na verdade, viveram-se ainda momentos complicados a este da cidade do Porto, com as equipas do Município a serem as únicas a acudir às cheias que invadiram a Marina do Freixo, como deu nota pública o concessionário deste equipamento, que criticou a "descoordenação e inoperacionalidade de meios de proteção civil e socorro" nacionais, nomeadamente Capitania e APDL - Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL).

"A Câmara Municipal do Porto foi a única entidade a colocar meios operacionais e incansáveis trabalhadores no apoio à resolução da situação de crise na Marina do Freixo", assinalou o concessionário em comunicado.

Esta noite, além dos trabalhos de limpeza de remoção das lamas, detritos e recolocação dos maciços, as equipas municipais vão continuar a monitorizar, no terreno, a evolução do estado do tempo.