Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Mais de mil especialistas de todo o mundo debatem no Porto a saúde respiratória
01-06-2018
"Acrescentar valor num mundo com recursos limitados" é o tema geral do programa da 9.ª Conferência Mundial do IPCRG (International Primary Care Respiratory Group) e da 1.ª Reunião Ibero-americana dos Cuidados Primários Respiratórios, que reúnem no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, até sábado, mais de mil participantes de todo o mundo.

Na abertura do evento, ontem, Dia Mundial Sem Tabaco, destacou-se o facto de, segundo a Organização Mundial de Saúde, nove em cada 10 pessoas pelo mundo respirarem ar poluído. Esta realidade, associada a fatores de risco como o tabagismo, tem como consequência o aumento das doenças pulmonares e levanta aos profissionais da Medicina, nomeadamente dos cuidados primários, o contínuo processo de investigação e formação, mas também a capacidade de sensibilização dos pacientes para os cuidados a ter com a saúde respiratória e o diagnóstico precoce, nomeadamente, das doenças pulmonares obstrutivas crónicas.

Neste contexto, o desafio é constante e cada vez maior, incidindo o encontro sobre o impacto das desigualdades económicas na saúde respiratória e as possibilidades de as mitigar.

Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, interveio no início da conferência para dar as boas-vindas aos participantes e deixar o registo de uma cidade que tem como prioridades a sustentabilidade social, económica e ambiental.

Em termos de ambiente, destacou, por exemplo, o investimento crescente em veículos não poluentes e a criação de ciclovias. No campo social, realçou a importância da cultura, que se tornou "o principal fator de união numa época de conflitos e diferenças ao nível mundial". No Porto, disse Rui Moreira, a cultura é considerada como elemento de coesão, criando elos entre gerações e pessoas de diferentes origens.

Cultura, sustentabilidade e qualidade de vida, bem como investigação e inovação nas ciências da Saúde, no corpo da Universidade do Porto, serão assim razões por que a cidade é, nestes dias, a anfitriã da conferência.