Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Livro "Correia da Silva: Arquiteto Municipal" será lançado dia 8 de novembro
03-11-2016

Na próxima terça-feira, dia 8, pelas 21,30 horas, no Cinema Passos Manuel, será lançado o Livro "Correia da Silva: Arquitecto Municipal", de Domingos Tavares.


Domingos Tavares, comissário do programa "No Centenário da Avenida da Cidade", vai lançar um aguardado livro sobre Correia da Silva, o arquiteto que viria a projetar, entre outras obras marcantes da cidade do Porto, o edifício dos Paços do Concelho.


A sessão de lançamento do livro - uma co-edição da Dafne e do Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, com o apoio da Câmara do Porto - será ocasião para o autor apresentar a vida e obra deste arquiteto municipal, "procurando perceber por que razão, passados os anos da afirmação revolucionária da República, o artista se deixou apagar em tempo de avanço das correntes modernas".


Homem discreto, de comportamento sereno e seguras convicções, António Correia da Silva foi um típico portuense, criador de arquiteturas emblemáticas da cidade. A sua ação profissional nunca foi devidamente valorizada. Como exceção, ninguém contesta o significado da afirmação municipalista do edifício dos Paços do Concelho, no remate da Avenida dos Aliados, ou a importância do Mercado do Bolhão como dinamizador da vida cívica promovida pela burguesia liberal da Primeira República.


O discurso crítico acerca dos seus trabalhos sempre revelou alguma desconfiança relativamente aos pressupostos programáticos daquelas arquiteturas, esquecendo a coerência conceptual que lhes esteve na origem. E quanto a outros trabalhos menos centrais, como o Matadouro de São Roque da Lameira ou a garagem dos Bombeiros Municipais da Foz do Douro, têm sido esquecidos enquanto marca de uma época. Mas Correia da Silva não desapareceu da narrativa da arquitetura portuense, porque aquelas duas obras emblemáticas tocaram desde cedo o coração do povo, que as tomou como marca identitária do centro cívico.