Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Livraria Lello enriquece espólio com 50 livros raros e bate recorde de vendas
09-07-2019
A Livraria Lello revelou hoje que adquiriu num recente leilão 49 livros, nove cartas e 28 postais manuscritos de autores portugueses, alguns destinados à venda e outros especialmente pensados para enriquecer o vasto espólio de edições raras e luxuosas da casa.

Dessas novas aquisições, a Lello destaca um exemplar da "Encyclopedia of Wit", livro de anedotas, humor e piadas da biblioteca privada Fernando Pessoa, que ostenta uma dedicatória para Álvaro de Campos do seu amigo Alberto, seis cartas e 27 postais de Matilde Rosa Araújo, escritos entre 1975 e 2004; três cartas e um postal de Mário Cesariny, escritos entre 1962 e 1979; uma primeira edição da "Mensagem" de Fernando Pessoa, de 1934, que conserva a fatura de compra de 26/01/1935, tendo custado à data 10 escudos; quatro livros assinados por José Saramago ("Deste mundo e do outro", "História do Cerco de Lisboa", "Todos os Nomes" e "Ensaio sobre a Cegueira"); e um exemplar da primeira edição da peça "Deseja-se Mulher", de José de Almada Negreiros, assinada pelo autor.

"Ao longo dos últimos dois anos, a Livraria Lello tem feito um enorme esforço na angariação de espólio literário de autores nacionais, bem como na valorização dos livros raros como investimento económico e cultural com valor e futuro", aponta a livraria em comunicado, explicando que a sua presença em leilões e a colaboração com parceiros nacionais e internacionais tem-lhe permitido criar "um portefólio de venda atrativo para o público especializado neste segmento bibliófilo".

Aliás, "olhando para o livro como um produto de investimento tão (ou mais) seguro como a arte, a Sala Gemma (novo espaço na Livraria Lello) foi precisamente pensada para ser o que hoje já é: o lugar do Porto, cidade com amplas tradições livreiras, na compra e venda ativa de livros antigos, livros raros e livros objeto", diz ainda a Lello.

Paralelamente, a livraria sublinha a sua condição de "maior exportadora nacional de cultura portuguesa" e adianta que o mês de maio passado veio confirmar esta posição, pois foi o mês em que a Livraria Lello bateu o seu recorde diário de vendas de livros: cerca de 1.800 por dia. Os números vieram também "cimentar a sua posição de livraria de rua que mais livros vende em Portugal e que mais livros de autores nacionais vende a visitantes estrangeiros", conclui.