Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Literatura e futebol são os próximos focos do ciclo Um Objeto e seus Discursos
05-07-2018
As duas últimas sessões do ciclo Um Objeto e seus Discursos por Semana, antes da interrupção para férias, reservam dois temas de peso em duas áreas aparentemente muito distintas: literatura e futebol. 

A próxima, já neste sábado dia 7, tem lugar nos jardins da Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio, a partir das 18 horas, e vai folhear o romance mais autobiográfico de José Maria Ferreira de Castro: "A Selva" (1930). Tal como Alberto, personagem central da obra, também o autor emigrou em condições miseráveis para o Brasil, buscando melhores condições de vida. Também ele viu esta intenção falhar, restando-lhe trabalhar no seringal, ironicamente chamado de "Paraíso".

Marcando a consagração literária de Ferreira de Castro, "A Selva" serviu ao autor como catarse, pelas dificuldades passadas nos quatro anos que viveu no seringal, mas sobretudo por ter testemunhado as condições desumanas a que eram sujeitos os que trabalhavam na extração de borracha na selva amazónica.

Embora não seja narrado na primeira pessoa, o romance é um relato pessoal da violência, da miséria e da degradação humana a que estavam sujeitos os trabalhadores, escravizados por uma dívida interminável, contraída para exercer o próprio trabalho.

Nesta sessão, moderada pela jurista e deputada municipal Paula Ribeiro de Faria, o especialista em literatura portuguesa Pedro Calheiros e o ator e encenador que adaptou o romance ao teatro, Mário Trigo, transportam-nos para essa selva, fazendo-nos refletir, como Ferreira de Castro, no sentido da vida e na fragilidade da condição humana.

O ciclo municipal irá depois, no dia 14, até ao Estádio do Dragão, um ícone do desporto e também da cultura da cidade e de toda a região.

O conhecido portista e portuense Manuel Serrão conversará com Álvaro Teixeira Bastos, engenheiro e gestor da empresa responsável pela manutenção do relvado, sobre o estádio que tem a assinatura do arquiteto Manuel Salgado. O seu relvado, inaugurado em 2003, tem sido pisado regularmente por grandes nomes do futebol, mas também por estrelas do espetáculo já que recebe concertos e outros grandes eventos.

A participação em qualquer das sessões tem um custo de 2 euros e o bilhete pode ser adquirido aqui para "A Selva", aqui para o Estádio do Dragão ou nos locais habituais.

Saiba mais sobre o ciclo Um Objeto e seus Discursos por Semana em www.umobjetoeseusdiscursos.com.