Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Kalaf Epalanga e Telma Tvon debatem relações entre a música e a literatura
16-09-2018
Depois de "Memória e ficção", ontem à noite com Filipa Martins e João Pinto Coelho, "Vozes negras ou livros que nascem de canções" é o ponto de partida para o debate que junta, esta tarde, os escritores Kalaf Epalanga e Telma Tvon na Feira do Livro do Porto.

Num painel moderado por Sheila Khan, a partir das 16 horas, os dois autores conversam sobre a Lisboa africana e as fronteiras ou as pontes entre música e literatura, letras para canções e poesia.

Kalaf Epalanga - mais conhecido como Kalaf Ângelo dos Buraka Som Sistema - publicou recentemente o romance "Também os brancos sabem dançar", que finge contar a história do kuduro, mas reflete sobre questões tão pertinentes como os fluxos migratórios e a multiculturalidade. E Telma Tvon, conhecida pelo seu trabalho enquanto rapper, publicou neste ano "Um preto muito português" com retratos da juventude negra dos subúrbios de Lisboa, tendo o livro começado por ser uma canção.

Este é o 5.º debate do ciclo de oito que José Eduardo Agualusa programou para esta Feira do Livro do Porto e que, na noite passada, contou com Filipa Martins (que publicou neste ano "Na memória dos rouxinóis") e João Pinto Coelho (Prémio Leya 2017 com "Os loucos da Rua Mazur"). No Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Palácio, desfiaram ideias acerca de "Memória e ficçâo", sob a moderação de Helena Teixeira da Silva.

O ciclo de debates deste ano contou já com o homenageado José Mário Branco e Anabela Mota Ribeiro, Mia Couto, Afonso Cruz e José Eduardo Agualusa, Daniel Cohn-Bendit e Rui Tavares. Estão ainda previstos outros três, a partir da próxima sexta-feira, com a farnco-marroquina Leila Slimani, José Riço Direitinho, Valério Romão e Susana Moreira marques, e Mário de Carvalho, Ana Margarida de carvalho e Inês Fonseca Santos.