Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Juventude do Batalhão de Sapadores Bombeiros equilibra média de idades dos funcionários da Câmara
24-02-2020
Mais de metade da corporação do Batalhão dos Sapadores Bombeiros (BSB) tem menos de 35 anos. Só no ano passado, entraram 35 novos recrutas com idade média inferior aos 23, até porque "a idade limite de ingresso são os 25 anos", informa o comandante dos BSB, Major Carlos Marques. Olhando aos últimos anos, há centenas de novos bombeiros a integrar os quadros e, inevitavelmente, este rejuvenescimento tem contribuído para manter a média de idade dos trabalhadores municipais nos 47 anos.

Numa corporação que conta atualmente com "302 colaboradores, 264 operacionais e 38 civis", tem havido uma forte aposta na renovação da estrutura.

Desde 2015, o Município do Porto já investiu mais de 7 milhões de euros no Batalhão de Sapadores Bombeiros, entre recursos materiais e de infraestruturas, mas também na dotação de recursos humanos.

"Aquilo que tem sido o investimento neste campo não é uma dádiva da Câmara; é o reconhecimento por parte dos cidadãos de que a sua proteção, a sua segurança é aquilo que de mais importante podemos ter num mundo incerto; e nós procuramos prevenir sempre antes de remediar", afirma o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

Estes "soldados da paz" têm sabido estar à altura dos diferentes acontecimentos, continua o autarca. "Sabemos que muitas vezes acontecem tragédias, mas naquelas que ocorreram nos últimos meses na cidade do Porto há uma coisa que surgiu em todas as notícias: foi a bravura dos Bombeiros Sapadores", destaca.

Já o comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros detalha que o investimento municipal no corpo dos BSB traduz-se quer no aumento do número de efetivos, "por forma a cumprir os rácios desejáveis de bombeiros para uma cidade que tem vindo a aumentar a sua população residente e flutuante", quer em matéria de aquisição e manutenção preventiva dos equipamentos, num processo de reequipamento plurianual.

Exemplo disso foi a aquisição de dois veículos urbanos de combate a incêndios, uma auto-escada articulada de 42 metros, uma autogrua de 60 toneladas, uma viatura de matérias perigosas, um veículo ligeiro de combate a incêndios com 1,80 metros de largura e adaptado ao Centro Histórico, um veículo de comando e operações tático, uma embarcação de socorro, uma mota de água de busca e salvamento, duas ambulâncias de socorro, entre outros equipamentos.

Além destes, foi também feito um investimento em equipamento de proteção individual e fardamento de serviço, na manutenção e renovação dos equipamentos de intervenção em incêndios urbanos e florestais, de mergulho, salvamento em altura, desencarceramento, matérias perigosas e comunicação, "com o objetivo permanente da melhoria da capacidade de resposta", assinala o Major Carlos Marques.

Idade média nos 47 anos

De acordo com a diretora municipal dos Recursos Humanos, Salomé Ferreira, estas novas entradas para o Batalhão de Sapadores Bombeiros "têm contribuído para que a média de idades dos trabalhadores da Câmara do Porto, atualmente nos 47 anos, não tenha subido mais e esteja estabilizada".

No entanto, "não há discriminação pela idade", frisa a responsável, garantindo que o Município recruta gente de todas as faixas etárias. Num universo que soma mais de 3.000 colaboradores até há uma franja significativa de trabalhadores com mais de 55 anos, confirma Salomé Ferreira, mas, no caso da corporação do Batalhão dos Sapadores Bombeiros, 62% dos operacionais estão abaixo dessa idade.