Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Casas na Baixa valorizadas
17-06-2015

Segundo o Índice de Preços da Baixa do Porto, o mercado imobiliário na zona histórica registou uma valorização de 43% nos últimos anos. Na base dos resultados está uma maior dinâmica de investimento e uma maior procura de edifícios reabilitados nesta zona da cidade, segundo o estudo do Observatório da Reabilitação da Baixa do Porto.


O jornal Público avançou hoje, em edição imprensa, que na zona Histórica do Porto em 2012,e ao contrário de anos anteriores, observou-se um panorama positivo, com registo de uma valorização do mercado de cerca de 19.9%. Estes valores positivos mantiveram-se nos anos seguintes, com o mercado a valorizar 16% em 2013 e, em 2014, 12.2%.


No "Programa de ação do Morro da Sé" apresentado a semana passada no Porto, Álvaro Santos, presidente do Porto Vivo- Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) afirmou que "os dados agora divulgados comprovam que o trabalho desenvolvido gerou uma dinâmica sustentável, retomando a atratividade de uma parte da cidade que durante anos sofreu um abandono considerável".


Em 2014, o número de vendas de imóveis por mês aumentou de 10 vendas, em 2013, para 23. E, desde o início deste ano, o ritmo das vendas mantém-se nas 22 transações por mês. Já no primeiro trimestre deste ano registou-se uma transação de 13 milhões de euros e é estimado que no primeiro semestre de 2015 resultem, das transações realizadas, 23 milhões de euros.


Em 2014 o investimento feito em imóveis na zona Histórica do Porto chegou aos 87,5 milhões de euros, havendo 273 imóveis transacionados nesse ano, números que duplicaram em relação ao ano anterior.


Os dados projetam um ritmo positivo para o ano de 2015, sendo que, no primeiro trimestre deste ano, foram já emitidos 34 novos alvarás na Baixa do Porto, destacando-se, desde 2011, que os imóveis mais vendidos são para fins habitacionais, seguindo-se os imóveis para os setores do retalho e do turismo.