Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Investigadores do Porto descobrem uma nova espécie de borboleta
07-06-2020
Uma equipa do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), da Universidade do Porto, descobriu recentemente uma nova espécie de borboleta noturna em Portugal. Batizaram-na com o nome científico Mondeguina atlanticella.
 
A descoberta foi revelada num artigo da revista da especialidade Nota Lepidopterologican, no qual os investigadores descrevem um novo género e uma nova espécie de borboleta noturna, encontrada na Ilha da Morraceira, perto da foz do rio Mondego, a sul da Figueira da Foz.
 
Martin Corley, Sónia Ferreira e Jorge Rosete são os nomes por detrás do anúncio. Para aqui chegar, a equipa teve de identificar as diferenças na anatomia da borboleta e o seu "código de barras" de ADN. Além disso, segundo informa o Notícias da U.Porto, o grupo observou ainda as "características morfológicas distintas, particularmente as antenas longas e as asas posteriores incomumente esbeltas".
 
A borboleta foi batizada como Mondeguina atlanticella, em homenagem ao rio Mondego, o rio mais longo inteiramente português e que inclui no seu trecho terminal o habitat da nova espécie descrita para a ciência. Os investigadores fazem também alusão à proximidade dos locais onde a espécie é conhecida ao Oceano Atlântico, uma realidade que contrasta com a da sua espécie mais próxima (Mondeguina mediterranella), que ocorre na proximidade do Mar Mediterrâneo.
 
Muito mais por descobrir
 
O estudo agora publicado foi desenvolvido no âmbito de outros projetos, integrados na iniciativa IBI: InBIO Barcoding Initiative, que consiste na construção de uma biblioteca de códigos de barras de ADN focada especialmente em invertebrados.
 
Espera-se que esta coleção de referência do CIBIO-InBIO, avança a mesma fonte, seja uma ferramenta fundamental para a monitorização da biodiversidade a longo prazo e em larga escala na Península Ibérica e, seguramente, na identificação de mais espécies por enquanto ainda desconhecidas da ciência.