Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Investigadoras do Porto desenvolvem jogo para dar voz e apoiar os cuidadores
11-09-2019

"Dar Voz aos Cuidadores" é um novo jogo de tabuleiro desenvolvido por duas investigadoras do CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, sediado na Universidade do Porto. Pretende ajudar os cuidadores a expressarem os seus problemas, facilitando deste modo a intervenção dos profissionais de saúde.


Não é novidade que os cuidadores sofrem desgaste psicológico, apresentam sintomas elevados de ansiedade, depressão, comportamentos obsessivos, entre outros problemas associados.

Tendo em conta esta crua realidade, as investigadoras do CINTESIS Carla Sílvia Fernandes e Maria Manuela Martins criaram um jogo que alia a melhor evidência científica à experiência profissional e pessoal das próprias autoras, constituindo uma nova estratégia de intervenção nas famílias com cuidadores de pessoas dependentes de qualquer idade, sejam crianças, adultos ou idosos.

O objetivo é que o jogo seja utilizado por famílias com cuidadores e por profissionais de saúde, designadamente enfermeiros e assistentes sociais, que deverão assumir o papel de moderadores, em momentos-chave como a preparação da alta, as consultas de seguimento das pessoas dependentes e mesmo durante o internamento. Nesse sentido, poderá ser usado em hospitais, ACES - Agrupamentos de Centros de Saúde e UCC - Unidades de Cuidados na Comunidade. indica o CINTESIS em comunicado.

O circuito do jogo é muito semelhante ao dos clássicos jogos de tabuleiro. À medida que os jogadores vão lançando os dados, vão avançado um determinado número de casas. De acordo com a cor da casa (roxo, verde ou azul), o jogador recolhe um cartão da mesma cor. As cartas roxas contêm questões para a família (por exemplo, "que tarefas associadas ao cuidador conseguiriam substituir?"), as cartas azuis têm questões destinadas aos cuidadores (por exemplo, "qual o pior conselho que obteve ao lidar com este novo papel?") e as cartas verdes são sobre os profissionais de saúde ("como poderia o enfermeiro ajudar nesta situação?").

Existem ainda casas especiais, de retrocesso e de ajuda. Nas casas de ajuda, o cuidador e a família podem obter um auxílio extra para fazer o percurso do tabuleiro, como institucionalizar a pessoa dependente durante algum tempo ou contratar alguém para desempenhar determinadas tarefas. Pretende-se, desta forma, dar novos recursos e ferramentas e permitir o debate sobre outras possibilidades que podem não ter sido consideradas ou abordadas até então.

No final do jogo, o cuidador recolhe um cartão com uma tarefa que a família será convidada a realizar no prazo indicado. As tarefas incluem, entre outras, rever álbuns de família ou dar uma folga ao cuidador durante um dia.

"Dar Voz aos Cuidadores" é também da autoria de Margareth Angelo, da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, no Brasil. Está à venda online e em livrarias.