Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Investigadora do Porto quer tornar a alimentação mais saudável com "sal verde"
09-02-2018

Uma investigadora do Porto desenvolveu um processo que permite retirar o cloreto de sódio da salicórnia (planta semelhante ao espargo), tornando-a "mais saudável" e criando, assim, uma alternativa ao sal.


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os AVC (Acidentes Vasculares Cerebrais) "são causados, na sua maioria, por excesso de cloreto de sódio [sal] no sangue, sendo esta a maior causa de morte a nível global" - disse à Lusa a responsável pelo projeto Sal Verde, Marisa Ribeirinho.

Até a 2017, "registou-se na Europa uma percentagem de 27,5% de mortes por AVC", continuou a investigadora, que começou a trabalhar com a salicórnia (conhecida por sal verde ou espargo do mar, devido à semelhança aos espargos verdes) em 2013, quando a planta "não era muito conhecida em Portugal".

Marisa Ribeirinho contou que o processo desenvolvido permite igualmente produzir a salicórnia durante todo o ano, contornando assim a questão produção sazonal da planta, que só está disponível no meio natural entre abril e setembro.

Com esta solução, o crescimento da planta não sofre interferências externas, demorando cerca de 15 dias a ser replicada, explicou.
"A salicórnia, que tem propriedades medicinais já descritas - antitumoral, diurética e antioxidante - pode ser utilizada como condimento, devido ao seu sabor muito peculiar, que se assemelha a maresia", referiu.

A ideia para este projeto surgiu no âmbito do relatório de estágio da licenciatura de Marisa Ribeirinho em Genética e Biotecnologia, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Posteriormente, seguiu para o mestrado em Biologia Clínica Laboratorial, encontrando-se agora a tirar um doutoramento, cujo foco é a transformação e a aplicação da salicórnia nas áreas farmacêutica e da alimentação. 
O projeto conta ainda com Carla Teixeira e Tiago Marques, responsáveis pelas candidaturas a fundos, financiamentos e concursos.

Com o Sal Verde, a equipa participou no BIOTECH_agrifood INNOVATION, um programa de pré-aceleração criado pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto (ESB-UCP), com o apoio da associação Portugal Foods e da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE).
Este programa tem como objetivo selecionar ideias inovadoras para o setor agroalimentar e apoiar a sua transformação em projetos de negócio.