Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Iberia Retail Show analisa o futuro do setor do retalho na Alfândega do Porto
08-04-2019
A primeira edição do Iberia Retail Show apresenta grandes nomes internacionais do retalho, bem como as principais marcas de serviços e tecnologia no setor, nos dias 11, 12 e 13 de abril, na Alfândega do Porto. O evento, realizado com a parceria da Câmara do Porto, pretende mostrar aos decisores que operam no retalho quais são os próximos passos do setor, as lojas do futuro e as soluções tecnológicas e de exposição que constituem novidade em 2019.  

Vão acontecer em simultâneo diversas ações, nomeadamente uma exposição com grandes marcas do setor, workshops e conferências. Por exemplo, no dia 11 de abril, a partir das 16,30 horas, Ricardo Valente, vereador da Economia, Turismo e Comércio da Câmara do Porto, Rui Marques, diretor geral da A.C. Braga e a consultora Teresa Macedo Dias vão debater "O Futuro do Comércio de Rua".

Pelo palco Sonae Arauco vão passar nomes influentes ligados a marcas como Ikea, Farfetch, Sonae MC, LG Eletronics, Michael Page, para falar de temas como "As lojas do futuro", "A gestão de produto na era da transformação digital" ou "O poder do marketing digital ao serviço do retalho". Serão levantadas discussões acerca da aposta em centros comerciais versus comércio tradicional de rua, e que futuro para ambos os lados. Malcolm Haylett (Ikea), José António Rousseau (Oki Europe), Filipa Fernandes (Expansion Labs), Pedro Lago (Sonae MC) e Ricardo Monteiro (Mercadão) são alguns dos oradores convidados.

As principais marcas de serviços, design, equipamento e tecnologia para o retalho vão, também, apresentar-se aos visitantes, para uma mostra das principais inovações. Serão mais de 1.600 metros quadrados destinados à exposição, com destaque para marcas como Appirio - consultora americana de TI, dreamMedia - líder em serviços de publicidade outdoor em Portugal - a SIBS, que detém marcas como a Multibanco e MbWay, o Grupo HMY - líder no mercado do mobiliário e equipamento comercial, a Fricon - especialista no fabrico de equipamentos de refrigeração, conservação e congelação, a Bosch Security Systems - marca de renome mundial na área da segurança e soluções tecnológicas de comunicação, a Cidi Ibérica - fabricante de suportes de comunicação para eventos, retalho, decoração ou a Oki Europe - fabricante de dispositivos de impressão únicos e premiados.

Haverá também lugar para a presença de instituições ligadas ao setor como as Associações Comercial do Porto e de Braga, o TECMAIA, e a Associação das Empresas Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica (AETICE) que vão trazer marcas que têm vindo a destacar-se no fornecimento de serviços específicos ao retalho.

A iniciativa é dirigida a lojistas, diretores de compras, de marketing e outros cargos de gestão, e conta com um universo de mais de uma centena de empresas envolvidas. A entrada é gratuita, mas com registo obrigatório.

O Iberia Retail Show abre portas às 9,30 horas do dia 11 de abril, na Alfândega do Porto - sala nascente. As conferências decorrem durante todo o dia, tal com a exposição. O fecho será sempre às 18,30 horas. O Iberia Retail Show é organizado pela da Modal Creativity, agência sediada na cidade do Porto.

O retalho em Portugal

O retalho tem apresentado, ao longo da última década, números positivos de crescimento, sendo que já em 2019 regista cerca de 3,4% (Meios e Publicidade).

Segundo o estudo MarketBeat da Cushman & Wakefield, entre 2015 e 2017 foram transacionados mais de 1.600 espaços de retalho em Portugal, mais de metade em centros comerciais. Portugal encontra-se entre os países da Europa com maior densidade de centros comerciais, com mais de 120 espalhados de norte a sul.

No mesmo sentido, os Outlets e os Retail Parks têm tendência para crescer, ainda que tenham, ao dia de hoje, menos expressão comparativamente ao resto da Europa. Por outro lado, o comércio de rua apresenta-se com ritmos diferentes entre as zonas metropolitanas de Lisboa e Porto, e as zonas do interior do país.

Em todos estes eixos existem denominadores comuns: a revolução tecnológica, a transformação digital e a urgência na atualização e inovação das empresas do setor.