Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Histórias da cidade: a Ribeira teve o primeiro túnel rodoviário do país
11-10-2020

Fez-se história numa extensão de aproximadamente 200 metros, quando em 1952 foi inaugurado, no Porto, o primeiro túnel rodoviário do país - uma obra pioneira em Portugal e localizada no coração da Invicta.


Falamos do Túnel da Ribeira, que se tornou a ligação óbvia para a circulação entre a zona ribeirinha do Douro e o Centro Histórico do Porto, mas que curiosamente nasceu de um projeto falhado para o prolongamento da marginal.

O "anteprojeto para o prolongamento da estrada marginal, na margem direita do rio Douro, entre a Ponte Luiz I e a Foz (...) previa, na zona da Ribeira, a passagem da estrada à cota das atuais ruas de Cima do Muro, do Muro dos Bacalhoeiros e da Praça da Ribeira, sobre uma monumental arcaria de granito", referia, num texto publicado em 2013 no Jornal de Notícias, o jornalista e historiador Germano Silva, autor de vários livros de história da cidade do Porto.

Contudo, esse plano não chegaria a passar do papel: "O projeto acabou por não ser concretizado. E, em vez dele, surgiu a ideia do túnel. Este foi o primeiro túnel rodoviário que se construiu em Portugal", acrescentava Germano Silva.

Os trabalhos de abertura do túnel (veja fotos do Arquivo Municipal do Porto) tiveram início em 1947 e não estiveram isentos de percalços. Logo nesse ano, registou-se o abatimento de parte da Capela do Ferro. "Por causa das obras do túnel deu-se um grave aluimento de terras na escarpa, pondo em perigo a integridade do edifício do Seminário Maior", lia-se numa notícia de 1949 no JN, citada por Germano Silva.

Ultrapassados todos os problemas, a obra acabou por concluir-se, tendo o Túnel da Ribeira sido inaugurado no dia 28 de maio de 1952, pelo então Presidente da República, general Craveiro Lopes. Fazia-se história no Porto, com a abertura do primeiro túnel rodoviário construído em Portugal.

Esse foi, de resto, um dia recheado de inaugurações na Invicta e arredores. Para além do Túnel da Ribeira, Craveiro Lopes cortou também a fita do antigo Estádio do Futebol Clube do Porto, eternamente conhecido como Estádio das Antas, e ainda do bairro dos pescadores da Afurada e da Ponte da Foz do Rio Sousa, na altura uma obra de engenharia, dotada do maior arco de betão armado do país.

Mas voltemos ao túnel. Conhecido desde o primeiro momento como Túnel da Ribeira, apenas em 2011 veria oficialmente inscrita na toponímia da cidade a designação Túnel da Ribeira. Em breve, a infraestrutura será alvo de trabalhos de manutenção, integrando um dos lotes a levar a concurso pela Câmara do Porto.

"Desde a inauguração, na frontaria granítica da entrada [nascente] ficou um retângulo que diziam destinado a um baixo-relevo escultórico. Esqueceram-se. A inércia foi-se instalando e já ninguém ligava a que faltava rematar aquilo", escrevia em 2015 o cronista, investigador da História do Porto e professor Hélder Pacheco, acrescentando a propósito da inauguração do painel "À Cidade", obra de Fernando Lanhas: "A Câmara entendeu agora pôr fim a 63 anos de atraso, colocando no buraco vazio uma obra de arte. Não posso deixar de aplaudir: 1.º - por ser um notável painel de Fernando Lanhas; 2.º - por trazer arte moderna para o espaço público; 3.º - por integrar a cultura contemporânea (de categoria) no ambiente histórico. Muito bem".