Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Há um fantasma a habitar o Planetário do Porto
16-01-2018
Há um fantasma a "habitar" o Planetário do Porto - Centro Ciência Viva e está disponível para ser experienciado. O centro de ciência da Universidade do Porto exibe ao público uma sessão "fulldome", ou seja, de "cinema imersivo" intitulada "O fantasma do Universo". A ideia é mostrar que existe algo que não podemos ver, sentir ou tocar, que nem emite nem reflete luz, mas que está por todo o lado: a matéria escura. 

Produzida por um consórcio que inclui, por exemplo, o CERN ou o Lawrence Berkeley National Laboratory, a produção explora a história, o conhecimento atual e algumas das várias experiências a decorrerem com vista a identificar o que é a esquiva forma de matéria, que soma quase 85% de toda a massa do Universo.

A realização é de João Pequenão do CERN Media Lab. Na versão original, a narração foi feita pela atriz Tilda Swinton (Oscar de melhor atriz secundária em 2008), com efeitos sonoros produzidos pela Skywalker Sound (Lucasfilm Ltd), o estúdio responsável pelo som dos sabres de luz ou dos TIE fighters nos filmes Star Wars. Carey Ann Strelecki, uma das principais consultoras de produção no documentário "Uma verdade inconveninente" (Oscar para melhor documentário em 2007) foi responsável pelo guião e pela produção.
A versão em português é do Planetário do Porto e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA3), com narração por Eduardo Rêgo, a voz dos programas "Vida Selvagem".  

A sessão está em cartaz neste espaço da Universidade do Porto aos sábados e feriados às 16,30 horas.

O Planetário do Porto - Centro Ciência Viva é um centro de ciência da Universidade do Porto, parte integrante da rede de Centros Ciência Viva, e gerido pelo Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP). Abriu ao público em novembro de 1998. Os seus objetivos centram-se no apoio e promoção da Astronomia através da investigação científica, da formação ao nível pós-graduado e universitário, do ensino da Astronomia ao nível não universitário (básico e secundário) e da divulgação da ciência e promoção da cultura científica.