Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Há sempre uma primeira vez para experimentar o NOS Primavera Sound
07-06-2019
Cada vez mais, o NOS Primavera Sound se assemelha ao sol: é para todos. Idade, sexo, raça ou religião não entram no Parque da Cidade, ou melhor, entram indiferenciadamente no mais heterogéneo festival de música.

No NOS Primavera Sound, nem a altura, cor de cabelo (ou ausência dele) ou peso são indicadores a ter em conta, já que o público é - tal como os músicos - da maior variedade imaginável.

Desde o final da tarde de quinta-feira, quando a chuva se arrependeu e deu lugar ao tempo acolhedor, veteranos e estreantes cruzam os relvados e procuram os sons preferidos ou a descoberta de novas bandas, tanta é a oferta nos 5 palcos + 1.

Hugo, pai (40 anos), Sara, mãe (33) e Manuel, filho (3), vieram de Lisboa especificamente para assistir ao espetáculo dos norte-americanos Interpol. E, se para a criança esta é uma estreia mais ou menos óbvia, o mesmo acontece com os pais que, confessam, "só ouvimos falar do Primavera Sound pela primeira vez no ano passado".

Ora, se uma só banda os motiva para a viagem, é de admitir que os gostos musicais ajudem a apaixoná-los pelo festival e pelo Parque da Cidade do Porto, onde o pôr-do-sol veio hoje assistir ao reencontro de duas grandes amigas: Ana, de 23, e Joana, de 25.

BFF (best friends forever) além de primas, afastaram-se há sete anos por razões académicas e profissionais, procurando uma delas o Chile e a outra a Alemanha. E cada edição do Primavera Sound é, desde então, o ponto de reencontro para partilharem o gosto comum: "conhecer tudo o que há de novo e diferente na música".

É também aqui que três amigos com idades entre 56 e 62 marcam anualmente encontro desde há três ou quatro anos, já que Alemanha, Itália e Austrália os separam no quotidiano. Hermann, Peter e Michael conheceram-se na Faculdade de Direito, em Heidelberg, mas a vida profissional separou-os por diferentes paragens. E o gosto pela música voltou a uni-los. Pela música e pelo Porto: "Wunderschon" [maravilhoso], dizem de forma unânime.

A par da música e do Parque da Cidade, do sol e da proximidade do mar, o ambiente criado dentro do recinto do festival ajuda também ao aconchego e oferece oportunidades para conhecer novidades que não somente musicais.

Dos já habituais baloiços "Porto." às dezenas de barraquinhas com os mais variados produtos, de uma oferta enorme em termos de restauração às inevitáveis grinaldas de flores, o NOS Primavera Sound deixa a sua marca a quem por cá passa.

A primeira vez de uns é já a oitava de outros, sendo que é difícil (impossível?) encontrar quem não se tenha rendido a partir do momento em que experimentou. E há ainda muitos motivos para tentar encontrar a música ou banda de maior agrado, já que o festival só termina quando o sol de domingo estiver quase a levantar-se.