Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Galeria Municipal do Porto inaugurou duas exposições
09-12-2019
"9 kg de Oxigénio" e "Depois do Estouro" são os nomes das duas novas exposições que a Galeria Municipal do Porto inaugurou no fim de semana, ambas resultantes de dois novos desafios criados por este equipamento no domínio da arte contemporânea.

No primeiro caso, a exposição surgiu a partir do repto lançado ao projeto "Uma Certa Falta de Coerência" para que desenvolvesse um exercício que refletisse sobre a relação entre a prática curatorial independente, autogerida por artistas, e um contexto expositivo institucional.

Assim, aquele coletivo, que desenvolve o seu trabalho de forma independente desde 2008, apresenta com "9 kg de Oxigénio" uma exposição onde testa políticas de produção e formas de entendimento próprias, tomando como ponto de partida "o exercício de sobrevivência em condições adversas e sujeitas a opressão institucional".

A exposição ocupa o piso 0 da Galeria Municipal, para onde "Uma Certa Falta de Coerência" transferiu a atmosfera do espaço exíguo que ocupa na Rua dos Caldeireiros e onde a respirabilidade do ar é frequentemente questionada, "como se ali houvesse menos do que os habituais 21% de O2" - algo representativo do esforço e dependência a que projetos independentes estão muitas vezes sujeitos.

Também no fim de semana, foi inaugurada no piso 1 da Galeria Municipal a exposição "Depois do Estouro", que tem curadoria de Tomás Abreu e resulta da primeira fase do programa concursal do Município "Expo'98 no Porto", que atribui duas bolsas para a realização de duas exposições naquele espaço. O júri do concurso - externo à equipa artística da Galeria Municipal e composto por Daniela Marinho, Miguel Ferrão e Nuno Faria - decidiu atribuir a primeira bolsa de apoio, no valor de 34.000 euros, ao projeto de Tomás Abreu. O segundo projeto, que conquistou o apoio de 64.000 euros, será também ali inaugurado, mas em 2020.

A exposição vencedora reúne um conjunto de obras, produzidas nesta década por 13 autores que cresceram em Portugal nos anos 90, que "incidem sobre questões da humanidade, do espaço físico e do tempo". O projeto expositivo parte da análise dos desenvolvimentos sociais e económicos do final do século passado para refletir sobre quais as consequências da globalização e da disseminação da tecnologia na cultura contemporânea, nomeadamente na produção artística.

Ambas de entrada livre, "9KG de Oxigénio" e "Depois do Estouro" podem ser visitadas até 16 de fevereiro, de terça-feira a sábado entre as 10 e as 18 horas e aos domingos entre as 14 e as 16 horas.