Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Funicular dos Guindais e Elevador da Lada vão ficar sob gestão municipal
11-11-2019

O Executivo Municipal aprovou nesta segunda-feira a concessão da operação e manutenção do Funicular dos Guindais e do Ascensor da Ribeira do Porto (conhecido como "Elevador da Lada"), pelo valor de 2,17 milhões de euros. O investimento enquadra-se na estratégia municipal de promoção do uso de meios de transporte coletivos suaves e menos poluentes.


No final de junho, a autarquia deliberou reassumir a gestão destes dois equipamentos, com o objetivo de os enquadrar num sistema integrado de ligações mecanizadas entre a cota alta e a cota baixa do Centro Histórico, "potenciando desta forma a acessibilidade, a mobilidade e a fixação da população residente nestas zonas da cidade", refere a proposta assinada pela vereadora dos Transportes, Cristina Pimentel.

Por outras palavras, a decisão permitirá envolver a Ribeira na rede dos percursos pedonais assistidos, que está a ser desenvolvida em três locais: em Miragaia, onde a construção já decorre, nas Virtudes e nos jardins do Palácio de Cristal. Além disso, este investimento superior a dois milhões de euros, a repartir entre 2019 e 2022, vai conferir maior eficácia e efetiva complementaridade entre o Funicular dos Guindais e o Elevador da Lada, com ganhos de escala e de adequação às necessidades das populações locais.

O vencedor do concurso público lançado pela autarquia foi a empresa LIFTECH S.A, que fica com a concessão da operação e manutenção pelo prazo máximo de três anos, como determina o contrato.

A deliberação do Executivo de Rui Moreira, que recebeu a abstenção da vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, não é alheia à proximidade do fim do contrato de operação e manutenção do Funicular do Guindais com a empresa Metro do Porto. Já o Ascensor da Ribeira do Porto, está atualmente em operação pelos serviços internos da Câmara do Porto, com o apoio da empresa municipal Domus Social, uma situação que também para o Município carecia ser revista.

A decisão seguirá, agora, para a apreciação da Assembleia Municipal.