Fundação EDP alia-se ao "extraordinário trabalho" da Galeria Municipal do Porto em prol da cultura - Notícias - Portal de notícias do Porto. Ponto.
Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Fundação EDP alia-se ao "extraordinário trabalho" da Galeria Municipal do Porto em prol da cultura
14-02-2018
A Galeria Municipal do Porto garantiu hoje o reforço do apoio de mecenato por parte da Fundação EDP, anunciou a programação de exposições para este ano e abriu ao público o seu site próprio na internet.  

Em sessão pública integrada com a conferência de imprensa para anúncio das novidades, o "extraordinário trabalho em prol da Cultura na cidade do Porto" foi elogiado pelo administrador executivo e diretor-geral da Fundação EDP, Miguel Coutinho, momentos antes de assinar com o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, o protocolo de mecenato que vem aprofundar uma relação iniciada em 2015 e garantir um apoio de 225 mil euros até janeiro de 2020.

"Estamos muito satisfeitos com o apoio que temos dado", declarou Miguel Coutinho, sublinhando que o MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (proposta cultural lançada pela Fundação EDP em 2016) não veio retirar interesse ou empenho da instituição quanto a parcerias com outras entidades. Prova disso e da importância dada pelo mecenas exclusivo à Galeria Municipal vai ser mesmo a estreia no Porto, já em março, da nova Coleção Cabrita Reis que a fundação adquiriu e que só mais tarde será exibida em Lisboa.

Mas essa será apenas uma das seis exposições programadas para este ano e com as quais a Galeria Municipal pretende reforçar "o papel de destaque" que tem vindo a conquistar no contexto expositivo da arte contemporânea a nível nacional e mesmo internacional, segundo adiantou Rui Moreira, que aproveitou para apontar ter este equipamento municipal recebido no último ano 88 mil visitantes.

O presidente da Câmara frisou que será implementado durante 2018 o plano já explicado durante a campanha eleitoral das últimas autárquicas, que visa solidificar a Galeria Municipal enquanto projeto focado na interpelação das práticas artísticas contemporâneas e na sua inter-relação com a cidade. Uma programação mais extensa, exposições em diálogo com outros programas ou eventos (casos da Feira do Livro ou do Fórum do Futuro), dedicação do piso superior a artistas da cidade ou que com ela estabelecem laços e um serviço educativo dinâmico são alguns dos instrumentos a utilizar na nova temporada, cuja programação conta com um orçamento de 350 mil euros.

Novo site e nova programação

A Galeria Municipal do Porto entrou assim numa nova fase que fica desde logo marcada também pelo arranque do novo site (http://galeriamunicipaldoporto.pt/PT/), hoje anunciado pelo Adjunto do presidente da Câmara para a Cultura, Guilherme Blanc.
Ali será divulgado detalhadamente tudo o que se passa neste equipamento cultural municipal, podendo já ser consultada informação bilingue (Português e Inglês) sobre cada uma das seis exposições programadas, bem como um histórico das anteriores e dados sobre o equipamento.

Esta presença específica na internet vem contribuir para o maior alcance que a Galeria Municipal persegue, indo também ao encontro dos turistas, nacionais e estrangeiros, e da sua tendência para preparar a visita à cidade com antecedência.



Entretanto, Guilherme Blanc apresentou cada uma das próximas exposições a acolher por este equipamento municipal: Germinal - Núcleo Cabrita Reis na Coleção de Arte Fundação EDP (curadoria de Pedro Gadanho e Ana Anacleto); Prémio Paulo Cunha e Silva (curadoria de Guilherme Blanc e João Laia); O Ontem Morreu Hoje, o Hoje Morre Amanhã (Carla Filipe em co-curadoria com Ulrich Loock); Musonautas, Visões & Avarias (curadoria de Paulo Vinhas para cinco décadas de inquietação musical no Porto); Curveball Memory (da Musa Paradisíaca com curadoria de Sofia Lemos); e Transantiquity (curadoria de Filipa Oliveira e Guilherme Blanc).

Todas estas exposições serão alvo de edição de um catálogo (com exceção da relativa ao Prémio PCS), já que a Câmara do Porto pretende fixar e deixar registado para o futuro o trabalho desenvolvido pela Galeria Municipal no campo da arte contemporânea. Aliás, a inauguração de Germinal - exposição concebida a partir das 388 obras de 74 artistas portugueses reunidas por Pedro Cabrita Reis - a 17 de março, será também ocasião para lançar o catálogo de Quatro Elementos, que esteve patente na Galeria Municipal em setembro do ano passado, em paralelo com a Feira do Livro.

Até ao próximo domingo, pode ainda ser visitada "10000 anos depois entre Vénus e Marte" que, desde dezembro último, reúne trabalhos de artistas de diferentes gerações e apresenta pela primeira vez uma série de novas aquisições da Colecção António Cachola, sob curadoria de João Laia.

De entrada gratuita, a Galeria Municipal do Porto está aberta ao público de terça-feira a sábado, entre as 10 e as 18 horas, e ao domingo, entre as 14 e as 18 horas, fechando à segunda-feira e nos feriados.