Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Abertura do Fórum do Futuro esgotada
05-11-2015

O Grande Auditório Manoel de Oliveira no Rivoli foi pequeno para receber a enchente que quis assistir à conferência de abertura do Fórum do Futuro 2015 com o Nobel da Física 2006, John C. Mather. Ao fim da tarde, também o Auditório do Museu de Serralves encheu para ouvir o fotógrafo Wolfgang Tillmans.

 

A abertura do Fórum esteve a cargo do vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo Cunha e Silva que voltou a salientar o tema em destaque na programação deste ano na cidade, a "Felicidade" e o seu objetivo de trabalhar para a construção de uma cidade mais feliz.


A cerimónia contou também com Miguel Pereira Leite, presidente da Assembleia Municipal e representantes de outras instituições parceiras da iniciativa, como Sebastião Feyo de Azevedo, reitor da Universidade do Porto, Valente de Oliveira, presidente do Conselho de Fundadores da Casa da Música, Ana Pinho, vogal do Conselho de Administração de Serralves, e Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional de S. João.


O Nobel da Física 2006 esteve acompanhado, em palco, pelos cientistas portugueses Orfeu Bertolami, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, e Carlos Fiolhais, do Departamento de Física da Universidade de Coimbra, num debate em torno da "Felicidade, luz e os segredos do Futuro".


John C. Mather falou sobre a importância da luz como ponto de partida para a vida no universo. O astrofísico da NASA, responsável pela coordenação do projeto do Telescópio Espacial James Webb, que será lançado em 2018, revelou o que poderemos ver através das lentes deste instrumento, usado para estudar o primeiro contacto entre estrelas e galáxias, a expansão de outras galáxias como a nossa, a formação de estrelas e planetas como o Sol e a Terra, e até o modo como os sistemas planetários se desenvolvem com o tempo e se tornam capazes de suportar vida.


No ano em que se assinalam os cem anos da criação da Teoria da Relatividade Geral e, simultaneamente, o Ano Internacional da Luz, o astrofísico antecipou os passos que serão dados após o lançamento do Telescópio Webb, numa altura em que poderosos instrumentos já estão a ser desenvolvidos e que nos irão permitir perceber que planetas estão vivos, através da procura de oxigénio produzido por plantas e algas.


Ao final da tarde, o reputado e influente fotógrafo alemão Wolfgang Tillmans, também teve casa cheia durante a sua conferência "A Felicidade sem título", no Auditório do Museu de Serralves.


Wolfgang Tillmans juntou-se a Suzanne Cotter, diretora daquele museu, para falar sobre o conceito de felicidade que percorre a sua obra. Da realidade das ruas londrinas nos anos 90 às abstrações surgidas do próprio processo fotográfico, o alemão revelou a forma como, ao longo do seu percurso, tem vindo a explorar a fotografia, entendendo-a como um modo de transmitir a realidade contemporânea através das dimensões sociais, económicas, relacionais, orgânicas, físicas e espetaculares que captura com a lente da sua máquina.