Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Defensora da vida selvagem Fiesta Warinwa partilha com o "Porto." experiência na fundação African Wildlife
07-11-2019

Fiesta Warinwa acumula vinte anos de experiência profissional na área de conservação e liderança na implementação da missão da Africa Wildlife Foundation. Diretora de Política de Envolvimento da AWF e Mestre em Conservação e Gestão da Vida Selvagem pela Universidade de Reading, no Reino Unido, veio ao Porto para falar no Fórum do Futuro sobre conservação num continente - África - em constante mudança.


Fiesta concordou em partilhar as experiências mais significativas no seu trabalho com o "Porto." e começou por explicar que as principais missões da African Wildlife Foundation (AWF), cujo trabalho é exclusivamente levado a cabo em África por uma equipa constituída em cerca de 80% por africanos. Além disso, a estratégia e os programas da AWF na África Oriental são direcionados para vários locais, incluindo Samburu, Mau, bem como as áreas de Kilimanjaro.


Atualmente, a AWF trabalha em mais de oito países, divididos de acordo com prioridades, sendo o primeiro grupo integrado pelo Quénia, Uganda, Zimbabué e Camarões e o segundo pela Tanzânia, a Etiópia e a República Democrática do Congo.

"Temos projetos específicos para países específicos", explicou Fiesta. "Os dois que temos em Moçambique e no Botswana são principalmente para apoiar as autoridades da vida selvagem na luta contra o comércio ilegal de animais selvagens, ou seja, apoiá-las na criação de uma unidade canina de deteção, nos pontos de entrada e saída, que são principalmente os aeroportos".

Sobre as ações da AWF e a sua articulação com as legislações dos diversos países onde a fundação atua, e sobre como podem ser harmonizadas, Fiesta afirmou que "a AWF tem três abordagens implementadas; a primeira é 'Stop the Killing' - 'Pare a Matança', fornecendo apoio direto às autoridades da vida selvagem e aos guardas florestais que trabalham nos parques; o segundo é 'Stop the trafficking' - 'Pare o tráfico', onde agora temos o programa canino e, em seguida, teremos a formação do sistema judicial dentro desses países; e, finalmente, o 'Stop the demand' - 'Pare a Procura' e a parceria com outras organizações que trabalham nos países".

"Mas devo dizer que nossa ação é determinada pelo interesse dos países e pelo financiamento, assim como pela vontade política, pois tentamos consciencializar o governo, tentamos guiá-lo, dando-lhe apoio técnico necessário, não apenas na área da vida selvagem, mas também na biodiversidade ", explica Fiesta Warinwa.

Quanto a uma última mensagem para o público, do Fórum do Futuro e em todo o mundo, a diretora de Políticas de Envolvimento da AWF afirma que "atualmente, a maioria dos países deseja garantir boas infraestruturas, boas estradas - tudo o que precisam. Por isso, caminhamos em direção a uma África que está a crescer de forma muito rápida, mas ao mesmo tempo não queremos perder a vida selvagem e as terras selvagens". Ou seja, "mesmo que África seja um mundo moderno, queremos que ele consiga prosperar e garantir que as comunidades lucrem com a terra que preservam. Esse é o maior desafio", considera.

Nesse sentido, Fiesta Warinwa diz que "começámos já a identificar a oportunidade de estabelecer uma estrutura de turismo e captar investidores, e isso pode gerar fundos e emprego para a comunidade, permitindo recrutar membros desta para trabalhar como 'ranger' ou guarda-florestal. Assim, os mecenas ou financiadores sabem que, após a conclusão do financiamento, a comunidade continuará a prosperar e a vida selvagem estará protegida".