Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Exposição de 34 obras conta como Joan Miró viveu a morte da pintura
12-12-2018
"Joan Miró e a morte da pintura" é o nome da exposição que a Casa de Serralves apresenta e com a qual, através da curadoria de Robert Lubar Messeri, dá conta da raiva criativa manifestada em 1972/73 pelo artista catalão quando a crítica anunciava a "morte da pintura".

Composta por 11 das obras da coleção do Estado Português oriundas do acervo do ex-BPN e por várias outras de coleções particulares e públicas de Espanha e França, esta nova exposição, inaugurada ao final do dia de ontem, centra-se no trabalho de Miró quando preparava a retrospetiva que levaria ao Grand Palais, em Paris.

Através do contributo de Robert Lubar Messeri, que comissariou já a outra grande exposição de Miró em Serralves, em 2016/17, o público tem agora a possibilidade de compreender melhor o conceito de assassinato estético e o envolvimento do artista catalão com as práticas daquilo a que, em 1927 e 1928, chamava "anti-pintura". E apreender o modo como a tensão entre pintura e anti-pintura que perpassou a sua obra subsequente atingiu um crescendo em 1973.

"Joan Miró e a morte da pintura" apresenta uma série de telas perfuradas de 29 de março de 1973, de relevos tecidos ("Sobreteixims" e "Sobreteixims-Sacks") executados em 1972 e 1973 em colaboração com Josep Royo e cinco "Toiles brûlées" (Telas queimadas) executadas entre 4 e 31 de dezembro de 1973.

Além disso, uma secção documental oferece ao visitante a possibilidade de observar os métodos de trabalho de Miró na execução dos "Sobreteixims", incluindo um filme do conhecido fotógrafo catalão Francesc Català Roca que regista o processo de criação e destruição das "Toiles brûlées".

O catálogo da exposição inclui uma entrevista entre Joan Punyet Miró, neto do artista, e Josep Royo, com quem Miró iniciou em 1969 uma longa e altamente produtiva relação de trabalho.

"Joan Miró e a morte da pintura" fica na Casa de Serralves até 3 de março de 2019, aberta ao público entre as 10 e as 18 horas de segunda a sexta-feira e entre as 10 e as 19 horas aos fins de semana e feriados.