Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Exposição abre celebrações do centenário de Sophia
25-01-2019
Uma exposição fotográfica e documental que revela pormenores inéditos sobre a vida e obra de Sophia de Mello Breyner Andresen, abre a partir de hoje ao público na Galeria da Biodiversidade - Centro Ciência Viva do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP). A iniciativa insere-se nas comemorações do centenário do nascimento da escritora e poeta portuense (1919-2004).

"Pour ma Sofie", assim se intitula a exposição que vai tomar conta do espaço onde Sophia passou a sua infância e adolescência, propõe uma viagem ao espólio da escritora, com partilha de memórias, livros da sua biblioteca pessoal, dedicatórias, correspondência, fotografias e também segredos até agora guardados.

Produzida por Oxana Ianin, com curadoria de Martim Sousa Tavares, neto de Sophia, resultou de um trabalho de pesquisa minucioso.

"A biblioteca da minha avó encontrava-se em 2015 dividida entre dois lugares: uma parte nas estantes da casa da Meia Praia em Lagos, que tanta inspiração lhe proporcionou, e o resto guardado em caixas em Lisboa. Foi durante as férias de verão que me interessei pela primeira vez por esses livros, e comecei a constatar que muitos deles estavam assinados, alguns contendo mesmo dedicatórias belíssimas, e aqui começou a nascer a ideia de fazer algo com eles", revela Martim Sousa Tavares, ao portal de notícias da Universidade do Porto.

Nessas dedicatórias, dispersas por mais de 300 obras, incluem-se nomes como os de Teixeira de Pascoaes, Carlos Drummond de Andrade, Maria Helena Vieira da Silva, Arpad Szenes, Miguel Torga, Eugénio de Andrade, José Saramago, Agustina Bessa-Luís, Jorge de Sena ou Herberto Helder.

E, continua a mesma fonte, além dessas dedicatórias, eternizadas em fotografias únicas por Oxana Ianin, a exposição revela ainda dezenas de manuscritos inéditos, correspondência, traduções, ensaios e outros "tesouros" guardados na biblioteca de Sophia durante anos.

Inaugurada hoje ao público, a exposição fica de portas abertas até 22 de fevereiro, de terça-feira a domingo, das 10 às 18 horas. A entrada é gratuita.