Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Estacionamento pago na zona ocidental avança sob gestão municipal
22-07-2019
O estacionamento pago em 42 arruamentos da zona ocidental, incluindo a Foz, vai avançar com gestão municipal. Na manhã desta segunda-feira, o Executivo aprovou por maioria o prestador de serviços para a instalação e fornecimento dos parcómetros. A fiscalização será feita pela Polícia Municipal.

A Câmara do Porto adjudicou à empresa RESOPRE, por 1,21 milhões de euros, o fornecimento e instalação de parcómetros na zona ocidental da cidade. O contrato de prestação de serviços irá vigorar por um período de três anos, estando sujeito ao visto prévio do Tribunal de Contas (TdC).

O documento, assinado pela vereadora de Transportes, Cristina Pimentel, refere que a proposta vencedora foi a "economicamente mais vantajosa", comparativamente às outras propostas a concurso. Aliás, pode ler-se na fundamentação que "a proposta adjudicada permite uma poupança de 1.256.809,50 euros, ou seja 56,08% em relação ao preço base".

A implementação de Zona de Estacionamento de Duração Limitada (ZEDL) na zona ocidental da cidade, nomeadamente em arruamentos sujeitos a uma maior pressão automóvel, "constitui uma medida fundamental para o equilíbrio das condições de mobilidade e da sustentabilidade ambiental da mesma", sustenta Cristina Pimentel.

A instalação de parcómetros na Foz Velha, Foz Nova, Parque da Cidade, Vilarinha, Antunes Guimarães, Foco, [Marechal] Gomes da Costa, Pasteleira, Império e Boavista Oeste, irá abranger cerca de três mil lugares para um máximo de 150 parcómetros. Já a tarifa aplicada será de 0,40€ por hora, correspondente ao tarifário mais baixo em vigor na cidade, ou seja, à Zona III da ZEDL, aprovada pela Assembleia Municipal.

A decisão de adjudicação para o fornecimento, instalação e manutenção de parcómetros na zona ocidental do Porto foi aprovada por maioria, com os votos contra do PS, PSD e CDU que, fundamentalmente, alegaram não concordar com o modelo escolhido e discordam da inclusão de algumas ruas no mapa, pelo facto de serem artérias "residenciais".

Por seu turno, o presidente da Câmara do Porto assinalou que, muitas vezes, são os próprios moradores que pedem ao Município para colocar parcómetros. "Em Bessa Leite, que é uma zona puramente residencial, foi isso que sucedeu. As pessoas queriam ir a casa almoçar e não tinham lugar para estacionar", afirmou Rui Moreira. Também no Foco, que classificou de "zona mista", pela grande implantação de habitação mas também de comércio, hoje os moradores agradecem a medida, constatou o autarca.