Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Estacionamento pago na zona da Foz vai avançar e beneficia moradores
17-01-2019
O Executivo Municipal vai avaliar na próxima terça-feira uma proposta para abertura de concurso que visa colocar em funcionamento o estacionamento pago à superfície na zona ocidental do Porto, nomeadamente na União de Freguesias de Aldoar, Foz e Nevogilde. Tal como no resto da cidade onde já há parcómetros, os moradores serão os principais beneficiados, já que vão dispor de avenças anuais pelas quais pagarão apenas 25 euros, passando a ter lugar junto às suas residências e onde agora escasseiam.

A Assembleia Municipal aprovou já no presente mandato a definição do novo zonamento para o estacionamento tarifado, estendendo a possibilidade de implementação em toda a cidade.

Segundo a proposta que será votada terça-feira, para abertura de concurso público para aquisição, instalação, manutenção e monitorização de parcómetros na parte ocidental da cidade, a população ali residente, assim como os comerciantes, vê no estacionamento prolongado durante o dia um óbice à qualidade de vida e ao desenvolvimento do tecido económico.

A fundamentação da decisão diz ainda que "a zona em causa está sujeita a uma sazonalidade específica que provoca períodos de afluência anormal de tráfego automóvel individual à zona da Foz do Douro e que importa regular", chamando a atenção que "a viabilidade da construção de novos parques de estacionamento subterrâneos, cuja necessidade unanimemente se reconhece, e pelo valor do investimento implicado, ficará sempre comprometida sem a existência de estacionamento pago à superfície".

O alargamento das zonas de estacionamento pago à superfície não será feito com o atual concessionário que opera na zona central da cidade, mas será garantido pela própria autarquia que fará a contratação dos serviços de que necessita, nomeadamente a instalação da tecnologia e a sua manutenção.

Pretende-se com estas medidas, aprovadas politicamente pelo Executivo e pela Assembleia Municipal, mas também sufragadas nas últimas eleições autárquicas, que os hábitos de mobilidade na cidade do Porto se alterem no sentido de uma menor dependência do transporte individual em benefício de outros modos de transporte mais suaves e sustentáveis.

Constata-se, aliás, nos anos mais recentes, um aumento progressivo do número de passageiros dos transportes públicos na Metro do Porto e na STCP, que se pretende incentivar ainda mais, numa altura em que Governo e autarquias estão empenhadas em melhorar a qualidade e a reduzir os tarifários destes serviços.
A escolha do modo de transporte nas viagens está relacionada com a oferta disponível, bem como com as características de funcionamento correspondentes, articuladas com as condições socioeconómicas e culturais do território, mas também com o desincentivo ao estacionamento de longa duração na via pública.

"Os quase três anos de experiência da concessão do estacionamento pago, tal como previsto no Código Regulamentar do Município do Porto, tem-se revelado uma medida de grande eficiência na gestão deste tipo de território muito pressionado e sujeito a conflitos de interesses entre os seus utilizadores", refere a proposta, acrescentando que "os moradores reclamam pela indisponibilidade de lugares de estacionamento em zonas fortemente ocupadas com lugares privativos, e os comerciantes e serviços gostariam de consignar mais espaço de estacionamento para as suas atividades".

A maior racionalização do uso do espaço público, que agora será possível também na zona da Foz, permite uma maior oferta de lugares de estacionamento disponíveis para todos os que dele dependem. "Os moradores são os maiores beneficiários, principalmente aqueles que não dispõem de garagem", refere a proposta que será votada terça-feira, acrescentando que "por sua vez, a indução da rotatividade no estacionamento da via pública liberta espaço para o estacionamento de suporte às atividades de comércio e serviços, atualmente muito dependentes da existência de lugares de estacionamento privativos para os seus clientes e para operações de cargas e descargas".

A implementação de Zona de Estacionamento de Duração Limitada (ZEDL) na área do Foco e, mais recentemente, na zona de Bessa Leite e os efeitos benéficos quase imediatos que trouxe para vivência do local são um exemplo a registar e a seguir.

Tal como na restante cidade, nomeadamente no centro da cidade, os moradores do Porto beneficiam de uma avença de 25 euros por ano, para o primeiro e segundo carro, que lhes permite isenção de pagamento nos parcómetros.