Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Especialistas vão ao cemitério dar aula sobre História e arte funerária
14-06-2018

A Parca do monumento funerário de José Alves Barbosa, no Cemitério de Agramonte, dá o mote para a conversa deste sábado do ciclo Um Objeto e seus Discursos por Semana. A partir das 18 horas, vai ser uma autêntica aula de História e arte funerária.


Estabelecido em 1855 nos terrenos da antiga Quinta de Agramonte (na zona da Boavista), o cemitério só começou a receber os primeiros monumentos a partir da década de 1870. Por essa altura, sofre uma profunda reestruturação, que lhe dá um caráter mais moderno em relação aos outros existentes na cidade.


O Cemitério de Agramonte passou então a ser o preferido da elite portuense, nos finais de Oitocentos, para o que muito terá contribuído o facto de algumas ordens Terceiras ali terem estabelecido os seus cemitérios privativos.


Uma dessas foi a Ordem Terceira do Carmo, em cuja secção privativa se encontra o objeto desta semana. Num de quatro monumentos neogóticos idênticos, encontra-se a representação escultórica de uma das três Parcas, figuras da mitologia clássica que decidiam o destino de deuses e homens.


Sob moderação da historiadora Alda Bessa, a especialista em literatura clássica Marta Várzeas ajudará os participantes a conhecer melhor esta figura mitológica, enquanto Gisela Monteiro, fotógrafa que se dedica ao estudo da arte funerária, explicará a apropriação deste tema no contexto cemiterial como representação metafórica da morte no período romântico.


A participação na sessão, que tem a duração de cerca de uma hora, está sujeita à aquisição de bilhete (2 euros) em www.bilheteiraonline.pt ou nos locais habituais.


Mais informações sobre este ciclo municipal em www.umobjetoeseusdiscursos.com.