Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Universidade do Porto regista média mais alta do país em 70% dos cursos
07-09-2015

7825 estudantes escolheram a Universidade do Porto, como primeira escolha na sua candidatura ao Ensino Superior. Estes resultados são o dobro das vagas disponibilizadas pela U.Porto para este ano letivo, 4160. Destas, foram preenchidos 4130 lugares.

Em termos absolutos, comparativamente com outras instituições de ensino superior pelo país cuja oferta de cursos é similar, dos 52 cursos oferecidos pela U.Porto, 36 deles registaram as classificações mínimas mais altas do país, ou seja, cerca de 70%. Em 10 dos casos restantes, a U.Porto alcançou o segundo lugar.


Segundo os dados do Ministério da Educação e Ciência (MEC), a Universidade do Porto atrai os alunos com as melhores médias do país. À semelhança dos anos anteriores, medicina no Porto foi o curso que registou a classificação mínima mais elevada.


Este ano, a U.Porto melhorou em todos os indicadores de acesso ao ensino superior. Segundo Sebastião Feyo de Azevedo, reitor da U.Porto, em entrevista à RTP, esta melhoria deve-se à reputação da U.Porto junto da sociedade, da confiança e do investimento que tem vindo a ser efetuado ao longo dos últimos anos.


De salientar que estes resultados são apenas da 1ª fase de acesso. As candidaturas para a 2ª fase de acesso começam hoje, dia 7, e prolongam-se até 18 de setembro.


Contudo, os números revelados nas candidaturas ao ensino superior neste ano letivo continuam a mostrar que existem centenas de cursos com reduzidas colocações. Segundo o reitor da U.Porto, estes números revelam que existe um problema estrutural no ensino superior global, que os sucessivos governos não têm tido capacidade para resolver. Sebastião Feyo de Azevedo considera que é necessário implementar mais políticas de qualidade, diversificação da oferta, clarificação dos níveis de exigência pretendidos para cada tipologia de formação e um aumento na autonomia das universidades.