Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Empresas internacionais explicam porque investem na cidade do Porto
17-07-2019

Há mais emprego e mais investimento na cidade e as empresas que aqui se instalam dizem de viva voz porquê. Ecossistema inovador, empreendedor, disponibilidade de talento e qualidade de vida estão entre as razões mais apontadas.


Num artigo do Jornal ECO online, empresas multinacionais como a Natixis e a Critical TechWorks explicam porque apostaram no Porto. Segundo o estudo pioneiro sobre a atratividade do Porto e da Região Norte no domínio do Investimento Direto Estrangeiro (IDE), encomendado pela Câmara do Porto à EY, só no ano passado, foram criados 2.754 novos postos de trabalho no Porto e na Região Norte, fruto da instalação de novas empresas internacionais.

"O Porto tem características únicas que consideramos verdadeiramente benéficas para os nossos processos de internacionalização: um ecossistema inovador e empreendedor, um mercado de trabalho dinâmico e uma infraestrutura excelente, com instalações de vanguarda que nos permitem proporcionar aos nossos colaboradores as melhores condições de trabalho", diz a senior manager da Natixis Portugal, Nathalie Risacher.

Da Critical TechWorks, empresa que nasceu de uma parceria entre a alemã BMW e a Critical Software, o CFO, Paulo Guedes, assinala que os planos de expansão passa por contratar 600 pessoas até dezembro. Por seu turno, Rui Cordeiro, CEO da empresa, revelou que uma das metas da Critical TechWorks é ter "mil colaboradores até 2021", entre engenheiros de software, especialistas em cybersecurity, mobile app developers, data engineers e data scientists.

Recorde-se que a empresa prepara-se para se instalar no centro da cidade, com cerca de 500 quadros especializados.

Esta dinâmica permitiu um crescimento do PIB a Norte do país duas vezes mais rápido em comparação à média nacional. Só em 2018, o Porto e a Região de Portugal geraram 39% do total das exportações portuguesas, indica o estudo ontem apresentado em sessão pública no átrio da Câmara do Porto.