Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

"É preciso tirar a capa dos cordeiros que afinal são lobos", diz Rui Moreira a propósito da cultura
10-03-2018
O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, alertou hoje que é preciso "tirar rapidamente a capa dos cordeiros que afinal são lobos", porque "eles andam aí e podem voltar", com o discurso da "subsidiodependência na cultura".

"Quando julgávamos que isto estava esquecido, ouvimos falar outra vez na sustentabilidade económica da Cultura. Qualquer dia voltam ao tema - tão quente para alguns e tão frio para nós, da subsidiodependência. Nesta matéria não podemos ter dúvidas. Não podemos voltar a ter um discurso virado para o 'economiquês' na Cultura. Temos de ter a coragem de estar atentos e tirar rapidamente a capa dos cordeiros que afinal são lobos, porque eles andam por aí e, acreditem, podem voltar", afirmou o autarca, na cerimónia de apresentação do novo Conselho de Administração do Teatro Nacional de São João.

O autarca independente, que momentos antes elogiou o atual Governo pela "capacidade de ouvir e entender" a Cultura, teve o seu primeiro mandato marcado pela afirmação de uma "rutura" em relação à política cultural do seu antecessor, Rui Rio, atual líder do PSD.

"Não podemos voltar a ter um discurso virado para o 'economiquês' na Cultura. Isso exige que. nesta matéria, pelo menos, todos nós, independentemente das nossas convicções, das nossas divergências e atritos, sejamos absolutamente coerentes. Temos de ter a coragem de estar atentos e tirar rapidamente a capa dos cordeiros que afinal são lobos, porque eles andam por aí, acreditem, e eles podem voltar", afirmou Moreira.

Dirigindo-se ao secretário de Estado da Cultura, o presidente da Câmara do Porto elogiou "um governo que, em matéria de cultura, tem tido a capacidade de ouvir, o que já em si é muito importante, e de entender e procurar entender, mesmo quando os recursos não são suficientes".

"Na cultura os recursos nunca são suficientes - é essa a nossa ambição. O facto de haver um Governo que compreende os nossos anseios emociona-me porque não foi sempre assim e pode não voltar a ser assim", alertou Moreira, que tem destacado a possibilidade de investir na Cultura mantendo "contas à moda do Porto" e que, segundo notícias divulgadas esta semana, viu a criação da Empresa Municipal de Cultura do Porto (EMCP), chumbada pelo Tribunal de Contas (TdC).

Na quarta-feira, a autarquia revelou à Lusa que vai recorrer do chumbo, confiando que as dúvidas levantadas por aquele organismo ficam "esclarecidas" com a resposta.

Redação: Lusa