Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Do Porto para o mundo, a revista Attitude celebra quinze anos com um livro
15-06-2018
Quinze anos é muito tempo no mercado editorial quando se trata de um projeto independente, que sem o suporte de grupos e campanhas musculadas nunca falhou um número na banca. Esta é a história de uma revista global, nos exigentes domínios de Interiores, Arquitetura, Design, Arte e "Lifestyle", que mantém a estrutura familiar; a realidade de uma publicação bilingue, distribuída pelo mundo, que é feita de Porto. E no Porto. Dificilmente um nome traduziria tão bem o conceito: a Attitude está de parabéns.

A marcar o aniversário, foi lançado este mês o livro "15 anos de Interiores em Portugal", que recupera espaços visitados nas já muitas edições desta revista bimestral, idealizada e concebida no Passeio das Virtudes. São mais de 180 páginas dominadas pela fotografia de Carlos Cezanne, fundador e diretor da Attitude, com apontamentos de texto na introdução dos capítulos.

O livro, fiel à identidade gráfica do título que celebra, tem prefácio do presidente da Câmara do Porto. Afinal, como começa o texto, "Carlos Cezanne é um daqueles portuenses invulgares que têm marcado a sua cidade"; um criativo e empreendedor que há 15 anos começou este projeto pessoal com a mulher, Ana Lapão. Ao longo deste tempo, escreve Rui Moreira, a Attitude teve "um inestimável papel na divulgação de arquitetos e de decoradores, de ateliers e de materiais portugueses", e com ousadia saiu "do espaço de conforto que, tantas vezes, condena os projetos". É, em suma, "um projeto com atitude e cheio de virtudes".

Dedicando o livro a "uma imensa minoria", Carlos Cezanne reconhece, na introdução ao livro, que a tarefa não é fácil "para uma editora independente, não sediada em Lisboa". O facto é que a criação deste projeto editorial no Porto, algo que "começou por ser apenas um sonho", afirma-se hoje como "uma realidade necessária e natural: o país pode, e deve, ser visto de outros pontos e de outras cidades, pois não faz sentido que tudo seja orquestrado na capital". Isto é ter Attitude.