Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Deputado do PSD do Porto diz que terreno afeto ao Fundo do Aleixo pelo anterior executivo não vale dois mas quatro milhões
22-07-2016

O deputado municipal Tiago Fonseca, do PSD, questionou ontem à noite, durante uma sessão da Assembleia Municipal, o valor de 2,485 milhões de euros, que servirá de base de licitação a uma eventual hasta pública sobre um terreno adquirido pela Câmara do Porto ao Fundo do Aleixo. A aquisição do terreno fez parte da solução encontrada pela autarquia para resolver a difícil encruzilhada em que se encontrava o processo do Bairro do Aleixo e foi feita por pouco mais de 2,1 milhões de euros, ou seja, por valor inferior. O anterior executivo tinha-lhe atribuído um valor semelhante ao atual.


A Câmara quer agora pôr na sua bolsa de vendas, um terreno por um valor superior ao da sua compra. Ou seja, a autarquia conseguirá, desta forma, fazer um bom negócio que lhe permitiu também ajudar a resolver os problemas de reabilitação da zona, realojando os moradores em habitação social nova paga pelo Fundo do Aleixo e ainda ter lucro com a venda do terreno.




O deputado da PSD, contudo, questionou o negócio, achando que o terreno poderia valer mais do que a base de licitação estabelecida pela Câmara e, substituindo-se aos avaliadores certificados, fez a sua avaliação "pessoal", que seria de 4 milhões.


Rui Moreira respondeu, esclarecendo que o valor de compra não apenas foi auditado pelo Tribunal de Contas, como a avaliação foi realizada por avaliador certificado, mas acrescentou: "se o senhor deputado acha que o terreno vale 4 milhões e a Câmara o comprou por pouco mais de dois milhões, então teremos conseguido fazer um negócio da China".


Também o deputado do PS, Gustavo Pimenta lembrou que o terreno tinha sido afectado ao fundo pelo anterior presidente da Câmara por 2,2 milhões de euros, pedindo-lhe que explique a discrepância entre o valor que entende ser correto e aquele que o anterior executivo lhe atribuiu. Contudo, Tiago Fonseca, não respondeu.


Assista em vídeo à discussão do assunto na Assembleia Municipal de ontem.