Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Crise profunda na ética está relacionada com a asfixia do pensamento público
22-11-2019

O presidente da Câmara do Porto foi orador convidado do debate "21 às 21", subordinado ao tema "Os Deveres da Ética". A iniciativa realizou-se nas Caldas da Rainha, nesta quinta-feira à noite, e vem sendo promovida há 10 anos pela Associação MVC - Movimento Viver o Concelho daquela cidade.


Tratou-se de uma sessão especial para assinalar o 10.º aniversário do ciclo de debates "21 às 21", plataforma de cidadania altamente participada naquela Região. Entre os convidados do encontro que dissecou o estado da ética em Portugal, além de Rui Moreira, estavam Paulo de Morais, João Paulo Batalha, Vitor Marques e Maria Teresa Serrenho.

Na sua intervenção, o presidente da Câmara do Porto afirmou que acredita que hoje "estamos pior" relativamente à ética, pois "vivemos numa sociedade em que, infelizmente, os fins que nos são anunciados parecem justificar todos os meios para lá chegar". Não retirando a quota de responsabilidade que cabe à política nesta questão, Rui Moreira arriscou mesmo dizer que, atualmente, "assistimos a uma crise profunda da ética".

E, se é verdade que a política é "a emanação de todos nós" e, por isso, convoca todos os cidadãos, para o autarca existe outra dimensão que contribui para este desgaste: "a profusão do lugar-comum", espelhada naquela que tem sido a atuação dos meios de comunicação social, cada vez mais semelhantes entre si na escolha dos conteúdos editoriais.

Também para Paulo de Morais, os "tempos áureos do pensamento português", em que se destacaram personalidades como Antero de Quental, Aquilino Ribeiro, Carlos Malheiro Dias, nomeou, fazem parte de um passado longínquo que é premente resgatar pois, como declarou, "temos assistido progressivamente a um asfixiar do pensamento público".

Iniciativas como o ciclo de debates "21 às 21", elogiaram os oradores, remam contra esta maré e destacam-se pela transmissão de conhecimento e pelo contraditório e, por esses motivos, são também exemplo de longevidade no panorama nacional.