Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Cortejo do Traje do Papel engalanou ruas e terminou com "banho santo" no mar
27-08-2018

O mais tradicional desfile do Porto e também um dos mais antigos do país saiu este domingo de manhã à rua. O Cortejo do Traje de Papel, ponto alto das Festas de São Bartolomeu, juntou um mar de gente entre participantes e populares ao longo de várias artérias da zona da Foz do Douro. Como habitual, a tradição cumpriu-se no final com um mergulho nas águas da Praia do Ourigo. Veja a galeria de fotos. 


O desfile partiu da zona da Cantareira, ao som de comando da filarmónica Banda Marcial da Foz do Douro e atravessou em ambiente de folia o Passeio Alegre. Quem na beira da estrada se apinhava para ver a arte transformada em papel, foi capaz de avistar diferentes composições: desde um exército que remetia para as tropas francesas de Napoleão Bonaparte, passando por outros trajes, sem qualquer conotação bélica, engalanados com motivos florais, bastante coloridos. Também a sétima arte esteve representada por um Charlie Chaplin vestido a preceito ou uma Marilyn Monroe que não passou despercebida. E ainda a música, desfilou um Freddy Mercury que não cantou, mas encantou.


Embrenhando-se pelas ruas da Foz Velha, o cortejo percorreu ainda parte da Avenida Brasil, atravessou a Rua do Coronel Raúl Peres e a Rua de São Bartolomeu, antes de chegar à areia.


A tradição só ficou efetivamente cumprida com um mergulho no mar, protagonizado pelos mais corajosos, tanto participantes do cortejo, como por populares que também se aventuraram nas águas da Praia do Ourigo. Até porque, como reza a lenda, há que tomar o "banho santo" para São Bartolomeu curar e/ou livrar de maleitas durante todo o ano.


O Cortejo do Traje de Papel perpetua aquilo que de mais genuíno se mantém nos costumes da população da Foz do Douro: todas as indumentárias resultam do trabalho manual de centenas de pessoas, ligadas a coletividades locais, que não laboram noutro material que não seja o papel.


Por esse motivo, atrai, todos os anos, milhares de visitantes.