Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Congresso Nacional de Mutualismo assinala 720 anos do movimento
06-07-2017

Começa nesta sexta-feira de manhã, no Centro de Congressos Alfândega do Porto, o XII Congresso Nacional do Mutualismo. O evento, que decorre até sábado, celebra o Dia Nacional do Mutualismo e os 720 anos deste movimento em Portugal.


Realizado pela União das Mutualidades Portuguesas (UMP), o congresso tem as presenças confirmadas do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, do primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, do ministro do Emprego e dos Assuntos Sociais de São Tomé e Príncipe, Emílio Lima, do presidente da delegação da AR à Assembleia Parlamentar da CPLP, Marco António Costa, do presidente da Social Economy Europe, Juan Pedreño Frutos, e do escritor moçambicano Mia Couto, entre outras individualidades nacionais e internacionais.


Os trabalhos compreendem quatro painéis, subordinados aos temas Fins e Áreas de Atuação, Rejuvenescimento e Inovação, Desafios para a Economia Social e Estratégias de Cooperação.


Esta iniciativa, já um marco na reflexão sobre Economia Social, tornar o Porto, durante dois dias, na capital mundial do Mutualismo.


Do programa faz também parte a entrega de três prémios, entre os quais o prémio Mutualismo e Solidariedade Internacional, que será atribuído ao primeiro-ministro cabo-verdiano e ao escritor Mia Couto.


Este congresso, já na 12.ª edição, "tem o condão de atrair as entidades da Economia Social, as organizações públicas e privadas, os poderes públicos e a população em geral, promovendo-se a salutar troca de ideias, opiniões e promovendo a modernização, a inovação e o conhecimento", diz Luís Alberto Silva, presidente do Conselho de Administração da UMP.


Será organizada, igualmente, a exposição Mutualismo em Portugal, que integra "objetos históricos e de incalculável valor", cedidos pelas diversas Associações Mutualistas portuguesas; e a montra Mutualistas de Palmo e Meio, composta por trabalhos de jovens mutualistas que foram desafiados a materializar visualmente a sua conceção do movimento.


Foi em 8 de julho de 1297 que se fundou, em Beja, a primeira confraria laica, sob os auspícios do rei D. Diniz. Era a génese do movimento mutualista.

Refira-se que mais de 25% da população portuguesa beneficia dos serviços mutualistas, sendo reconhecida a importância da ação do movimento em prol da saúde e da proteção social da população.