Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

"Comunistas voltam a não estar ao lado da cidade"
01-03-2016

O Partido Comunista não votou a moção ontem apresentada originalmente pelo Bloco de Esquerda, mas a que se juntaram as outras forças políticas e que foi aprovada na Assembleia Municipal, apoiando as posições de Rui Moreira acerca da TAP. Os comunistas quiseram apresentar a sua própria moção, que, embora crítica às decisões da companhia de reduzir a operação no aeroporto do Porto, se centrava também na questão da propriedade da empresa, defendendo a sua nacionalização. A moção acabou aprovada por todas as forças políticas, exceto pela CDU.


É a segunda vez, em poucos dias, que os comunistas do Porto se põem do lado contrário ao que Rui Moreira chama "interesses da cidade e do país", ao defender um tratamento equitativo por parte da TAP. PSD e PS estiveram, quer na última reunião de executivo, quer na Assembleia Municipal, ao lado dos independentes que elegeram o presidente da Câmara do Porto e apenas o PCP continua a procurar fazer, sozinho, um caminho político sobre esta matéria.


Miguel Gomes, representante dos independentes na Assembleia Municipal que ontem tomou a palavra, lembrou a CDU que "volta a não estar ao lado da cidade" e que está errada no tempo e no espaço. "No tempo, porque este é o tempo de defender a cidade, no espaço, porque o PCP se quiser discutir as nacionalizações e estar contra o Governo ou a favor de outra solução qualquer o deve fazer na Assembleia da República, onde sustenta este Governo", disse.


A Assembleia Municipal acabou por aprovar, por maioria (42 votos a favor e 4 contra), a moção "contra decisões da TAP e da ANA consideradas lesivas para o aeroporto do Porto e o Norte" e chumbou a da CDU sobre a mesma matéria.


Bloco de Esquerda (BE), PSD, PS e o grupo municipal Porto, O Nosso Partido, apresentaram a moção em conjunto e tentaram até ao fim contar também com o apoio da CDU.


A pedido do BE, os trabalhos foram suspensos por cinco minutos antes das votações para se tentar chegar a uma posição unânime, mas a CDU manteve-se irredutível e avançou com uma proposta própria, que acabou chumbada, com 37 votos contra.


Rui Moreira criticou a CDU, dizendo que esta força política "gosta da unanimidade quando a impõe".


"Compreendo a posição do Partido Comunista sob o ponto de vista estratégico, mas temo e lamento pela cidade, porque era importante que retirássemos a componente ideológica" em favor de uma posição comum, afirmou.


Rui Moreira acrescentou que "a maldade que está ser cometida não é por a TAP ser privada. A TAP, nos últimos 12 anos, com 100% de capital público, abandonou o Porto. Fez tudo para destruir o aeroporto do Porto", afirmou o autarca.