Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

COMUNICADO I WTCC
16-10-2014

O Porto não conseguiu, até ao fecho dos calendários internacionais de automobilismo, garantir a realização, em 2015, do Circuito da Boavista, pontuável para o FIA World Turing Car Championship (FIA-WTCC) e que se tem realizado, na cidade, a cada dois anos.

 

Apesar da Câmara Municipal do Porto, através da sua empresa municipal, Porto Lazer EM, ter garantido aos organizadores a montagem de toda a logística relativa ao circuito (como sempre fez), ao contrário do habitual, o Turismo de Portugal não aceitou pagar ao Eurosport uma campanha publicitária naquele canal internacional de televisão, o que garantiria a inscrição da prova no calendário FIA-WTCC.

 

Durante o processo, a Câmara Municipal do Porto tentou sensibilizar o Governo de Portugal para a importância da realização de uma prova internacional de automobilismo na cidade, que não apenas consolidasse os investimentos feitos no passado no Circuito da Boavista, como garantisse a sua visibilidade interna e externa. O Governo mostrou-se, contudo, irredutível quanto à decisão do corte total de apoios do Turismo de Portugal a provas de automobilismo, independentemente de se realizarem ou não no Porto.

 

Ainda assim, a Câmara Municipal do Porto procurou, até hoje, viabilizar a realização do Circuito da Boavista, através de formas alternativas e sustentáveis. Envolveu, para isso, diversos parceiros e organizadores nacionais e internacionais sem, contudo, ter obtido garantias de que estavam simultaneamente garantidas a qualidade e a sustentabilidade do circuito.

 

Não sendo comportável para o orçamento municipal nem entendível para os portuenses que a Câmara Municipal do Porto despendesse perto de três milhões de euros numa prova de automobilismo, decidiu não realizar em 2015 o circuito, já que suportar os seus custos sem o habitual apoio do Turismo de Portugal, poderia pôr em causa as "boas contas" do Município hipotecando outros investimentos e compromissos considerados fundamentais para a cidade e para os seus cidadãos.