Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Comandante da polícia nacional do Qatar aprende no Porto para o Mundial de Futebol de 2022
10-06-2019

O comandante da Polícia Nacional do Qatar, alguns dos responsáveis máximos pela segurança daquele país do Golfo Pérsico, que em 2022 receberá a fase final do Mundial de Futebol, estiveram na última semana no Porto, para acompanharem as montagens e procedimentos de segurança relacionados com a Liga das Nações Europeias, que decorreu no Porto e em Guimarães.


Rui Moreira recebeu a comitiva do Qatar, de que fazia parte também o embaixador do Qatar em Lisboa, tendo estado acompanhado pelo diretor nacional da PSP e pelo comandante metropolitano da PSP do Porto.


A forma como o Porto se preparou para este importante desafio, a forma organizada como tudo foi montado pela Câmara Municipal para receber os desafios que estavam a ser colocados à organização e o dispositivo de proteção civil e de segurança que superou de forma brilhante as dificuldades, foram os temas da conversa que decorreu na Casa do Roseiral, na véspera da final da competição.


A fase final da Liga das Nações registou um número mínimo de incidentes, calculando-se que pela cidade do Porto tenham passado mais de 50 mil adeptos estrangeiros, muitos deles ingleses. O número de ocorrências registado é considerado exemplar, com uma quantidade residual de pessoas transportadas ao hospital apenas com ferimentos ligeiros.


A Câmara do Porto, que fez parte da candidatura de Portugal à primeira fase final da competição que ontem a Seleção Nacional conquistou, foi apontada pela organização como tendo tido um comportamento exemplar, tanto ao nível da montagem das fan zones, ao controlo da mobilidade, à segurança e à limpeza urbana.


A final de ontem, entre Portugal e a Holanda, foi transmitida em direto para todos os países do mundo, contando com centenas de milhões de telespectadores, provocando um retorno económico superior a 150 milhões de euros, segundo um estudo do IPAM. Foi o acontecimento com maior impacto mediático mundial jamais realizado no Porto.